Arquivo da tag: two and half man

Ligue seu sensor anti-manipulação

Buenas cabrón!!

Pode parar de mexer a perna, suar frio e roer as unhas, porque…

O MDJC ESTÁ DE VOLTA!

Estive uns dias ausente pois fui atrás de materiais alucinantes para nossa loja que em breve, muito breve mesmo, será lançada. Você não perde por esperar, pode ter certeza jogador.

Hoje quero dedicar alguns minutos para ligar seu sensor anti-manipulação.

Você já percebeu que é através da visão e da audição que recebemos a maior parte das informações?

O olfato tem seu valor… o tato e o paladar, idem…

Mas uma imagem meu amigo, vale mais do que mil palavras.

Assim como o poder da música encontra-se justamente no alcance das ondas sonoras até nosso interior.

Aquele que busca uma comunicação mais envolvente, treina tanto a oratória quanto sua linguagem corporal, sem esquecer de caprichar na aparência.

É também através desses meios que se consegue manipular o pensamento de indivíduos e até multidões.

Hitler sabia disso, com seus discursos impactantes.

Políticos também.

Emissoras de TV então, vix maria!!

 

O vídeo misturado com áudio pode ser uma ferramenta e tanto para influenciar mentes.

Bom exemplo é uma edição que postaram no Youtube, em Outubro de 2010, durante o segundo turno das eleições para presidência do Brasil, com o título “Dilma 2012 – o fim está próximo“.

A ex-vereadora e coordenadora digital do PSDB, Soninha Francine, junto à sua equipe, publicou na internet um vídeo assustador prevendo como seria o governo da candidata rival de José Serra, a atual presidente Dilma.

Foi uma tentativa forçada de manipulação através do medo, já que Dilma disparava nas pesquisas eleitorais.

Perceba a música… o tom da narrativa… as fortes imagens… e as emoções que eles tentam despertar:

(*o foco do MDJC não é político. Comentários dessa natureza não serão publicados)

Dá até medo né? Mas foi tão forçado que o povo se ligou da apelação.

 

Não julgo errado mexer com as emoções das pessoas, mesmo porque eu gosto de me emocionar de cantinho.

Me pergunte qual tipo considero um bom filme.

Depende da história, roteiro, atuações, trilha sonora, fotografia, e certamente, da qualidade dos sentimentos que produz em mim.

Mas fazer isso na intenção de cegar uma pessoa para tirar proveito, é sacanagem.

 

Lembrei agora do interessante “Mera Coincidência” (Wag the dog – 1997), que trata da manipulação de emoções.

Após o presidente dos EUA envolver-se num escânda-lo sexual, suas chances de re-eleição diminuem drásticamente, até que assessores têm a ideia de inventar um fato que desviasse a atenção dos eleitores. Contratam então um produtor de Hollywood e um dos maiores profissionais de marketing do mercado para inventar uma guerra na Albânia, cheia de patriotismo e efeitos especiais.

Foi o suficiente para os americanos esquecerem a taradisse do presidente e logo mais vê-lo como herói.

Se pararmos para analisar, ocorreu algo semelhante quando o perturbado George Bush mandou  o exército invadir o Iraque, pois pretendia abafar o sentimento de impotência americano após os atentados terroristas de 11 de setembro.

Logicamente não falo de ter sido uma história inventada como a do filme… mas os motivos da invasão? Armas nucleares que ameaçavam o mundo? Tá bom, conta pro boneco.

 

Você pode ver manipulação de diversos lados.

Líderes safados, certas igrejas, alguns vendedores, políticos, estelionatários, etc…

Falo de gente que influencia atitudes alheias visando somente benefício próprio, onde causam prejuízos aos outros sem que os mesmos percebam.

Já fui vítima certas vezes.

Um sujeito me abordou na rua cheio da lábia fazendo propaganda de um cd player para carro. Ele entrou na minha mente e acabei ligando para um amigo oferecendo o produto. Ele veio, o cara nos levou até um lugar para pegar o tal som, e acabou que saiu de fininho por outro canto e nunca mais vimos, nem o aparelho e nem o dinheiro de volta.

Até outro dia, um cidadão veio a mim dizendo que tinha uma proposta incrível, mas que não podia falar o que era… que eu precisava assistir a uma vídeo-conferência… que era algo visual, novo, números expressantes… sucesso na certa!! No final das contas, queriam que eu comprasse uma porrada de produtos e criasse uma equipe de vendedores que também tinham que comprar outra porrada de produtos e assim sucessivamente. Quando falei que não tinha interesse, ainda tentou formas de me convencer. O que valeu a pena foi observar todas as maneiras sofisticadas de indução daquela empresa e o quanto aquilo não me afetava nem um pouco.

 

Manipulador nato foi Alan Harper num episódio de “2 and a half man”.

Pela primeira vez na série ele consegue entrar na mente de seu irmão, a lenda Charlie Harper, influenciando-o a pegar a garota que estava esperando na sala. Charlie não queria pois era filha de uma mulher com quem estava envolvido. E por algum motivo que não me recordo, Alan usa de extrema persuassão pois queria que Charlie se complicasse depois.

Infelizmente, só achei o final da cena. Mas dá pra sentir o gostinho do vigarista:

 

Dicas para ligar o sensor anti-manipulação:

1- quando a esmola é demais, o santo desconfia. Fique ligado quando prometerem muitas vantagens, pois dificilmente nos dão algo sem querer nada em troca.

2- sabe aquele amigo que só fala contigo com algum objetivo? Nunca apenas para perguntar como vão as coisas… é a mistura de manipulador com aproveitador.

3- cuidado com os que ficam de “leva e traz”. Os mesmos que trazem fofoca, também levam. 

4- elogios sem serem explicados podem ser indícios de manipulação.

5- a verdade pode ter mais de um lado. Cuidado ao acreditar 100% numa versão.

O JC procura ter uma veia mais crítica, sem seguir sempre o rebanho. Evita ser um “maria-vai-com-as-outras” ou deixa o olho brilhar por qualquer coisa.

Por outro lado, cuidado ao desconfiar demais para não virar paranoico, ok?!

Abraço do DON