Arquivo da tag: jogador caro

15 pensamentos que diferem as pessoas ricas

O leitor do MDJC sabe que nosso foco é outro além de como ter dinheiro.

Mas cá entre nós… da pra viver sem?

Juliana Américo Lourenço da Silva, do site http://www.infomoney.com.br/, postou umas dicas bem interessantes sobre comportamentos eficazes na arte de fazer dinheiro.

E compartilho agora com você!

 

SÃO PAULO – Quem tem muito dinheiro pensa e age de maneira diferente da maioria da população. Ao menos, esta é a opinião do autor do livro “Como pessoas ricas pensam”, Steve Siebold, que relatou ao site Business Insider as diferenças nas atitudes dos ricos.

Veja 15 desses pensamentos:

mulher rica com notas de 100 dólares

1- Egoísmo é uma virtude, sabia?
A maioria das pessoas sente necessidade de salvar o mundo e colocar os outros antes de si mesmo. Já as pessoas ricas acreditam que se não se ajudarem primeiro, não poderão ajudar ninguém.

2- Não fique esperando; agir é a chave do sucesso
Você não vai ver uma pessoa rica na fila para jogar na loteria (mesmo antes de ser rica). Grande parte das pessoas está sempre à espera de alguém para ajudá-los a ficar rico, seja a loteria, o Governo, um amigo ou o cônjuge, mas isso só os mantém pobres. As pessoas ricas agem e gastam tempo resolvendo problemas.

3- Valorize o diferencial
As pessoas acreditam que o caminho para a riqueza é por meio da educação, fazendo mestrado e doutorado. As pessoas ricas são geralmente ricas, porque elas fizeram dinheiro vendendo um conhecimento específico que adquiriram.

4-Sonhe com o futuro
As pessoas ricas gastam muito tempo olhando para o futuro, estabelecendo metas e ansiosas pelo o que vem pela frente. A maioria das pessoas vive no passado e ficam infelizes ou deprimidas.

5- Pense em dinheiro de forma lógica
As pessoas normalmente caiem na armadilha de pensar sobre dinheiro emocionalmente, apenas querendo se aposentar confortavelmente. No entanto, as pessoas ricas mantêm uma relação lógica com o dinheiro, vendo-o como uma ferramenta que representa opções e oportunidades.

6- Siga a sua paixão
Oprah Winfrey disse que você tem que seguir a sua paixão e fazer o que você ama. As pessoas ricas encontram uma maneira de serem pagas para fazer algo que amam. A maioria das pessoas ganha dinheiro fazendo coisas das quais não gostam.

7- Sonhe alto
As pessoas definem expectativas baixas para evitar decepções, já quem é rico cria expectativas enormes e segue seus sonhos.

8- É preciso ser alguém
A maioria das pessoas acredita que você tem de fazer alguma coisa para ser rico e focar em resultados imediatos. Pessoas ricas se concentram em melhorar continuamente a si mesmas e aprendem com sucessos e fracassos.

9- O dinheiro dos outros é bem-vindo
As pessoas acreditam que precisam de seu próprio dinheiro para fazer dinheiro, enquanto as pessoas ricas não vêem nenhum problema em usar o dinheiro de outras pessoas.

10- Viva conforme seus meios
Os ricos adotam a atitude de viver de acordo com seus meios; enquanto parte das pessoas vive acima das suas possibilidades.

11- Ensine seus filhos como serem ricos
A maioria das pessoas ensina a seus filhos como sobreviver, enquanto os ricos ensinam seus filhos desde cedo sobre o mundo dos ricos e pobres.

12- Não deixe o dinheiro te estressar
Os ricos encontram paz de espírito na riqueza e não têm medo de admitir que o dinheiro pode resolver a maioria dos problemas, o que lhes permite ganhar mais dinheiro. Já a maioria das pessoas vê o dinheiro como uma batalha e um mal necessário que eles têm de suportar.

13- Educação ou entretenimento? Eles ficam com o primeiro
As pessoas fazem o oposto, elas lêem romances, tablóides e entretenimento em vez de continuar se educando depois da escola.

14- Os ricos se cercam de pessoas que pensam como eles
As pessoas ricas convivem com pessoas que têm as mesmas ideias  e condenam atitudes de tristeza e melancolia, o que aumenta a fama de esnobes.

15- Concentre-se em ganhar
As pessoas se concentram em poupar e perdem grandes oportunidades tentando viver frugalmente. Já as pessoas ricas constantemente  focam em grandes quadros e em como ganhar grandes quantias.

 

Abraço do DON


[Análise do JC]- O amigo dele atrapalha nosso namoro

Como o MDJC continua recebendo, diariamente, diversas situações para analisar, lá vai mais uma antes que os leitores fiquem sem resposta e depois seja tarde demais!

Aliás, o caso de hoje é de uma leitora.

 

“Don! Comecei a namorar há pouco tempo com um rapaz muito legal, mas um amigo dele morre de ciúmes da gente e deu pra implicar comigo agora, tornando as situações super incômodas. Já tentei conversar com o rapaz, mas ele não quer papo e meu namorado também não quer se meter. Não sei direito como lidar com essa situação… Pois estamos há menos de 2 meses juntos, mas esse amizade dele também não tem mais de 3 meses. Você acha que o meu namorado deveria tomar uma posição?” 

O amigo não quer soltar é?

Mas certamente seu namorado já deveria ter tomado uma atitude!

As pessoas nos respeitam até o limite que determinamos.

 

Lembro de um camarada meu…

Certa vez, na balada, estávamos lá curtindo quando conheci essa menina e rolou um lance.

Aí me perdi dele e fomos nos falar só depois de uns dias, quando o sujeito já veio cheio da dor de cotovelo:

Ah Don, pegasse a fulana?? Já fiquei com ela pô (quem te perguntou?)! Altas safada! E nada haver aquela guria. Levei um dia pro motel e ficou só me enrolando… fiz papel de bobo, perdi meu tempo…”

Êta orgulho ferido hein?!

Mas tudo certo, não dei bola para as contradições dele e segui a vida. Ou melhor, segui ficando com ela.

Semanas depois, por acaso, comentei que ia sair com a dita cuja. Foi quando ele questionou, falando alto e com a veia do pescoço saltando:

“O quê???? Tu ainda fica com a fulana??? Tá é maluco cara!!”

Nessa hora fui obrigado a rir e perguntar o por quê.

“Não, não, que isso… altas safada pô!! No verão vi ela e uma amiga com 5 caras lá na praia, depois entraram numa casa e ficaram dando risadas! Acho que as duas deram pra eles! Na verdade, acho até que ela deve ser garota de programa!”

Foi demais pra mim.

Com toda a calma do mundo, mas de forma assertiva, coloquei as cartas na mesa:

Ê, ê, menos… pode baixar o tom de voz aqui na minha casa… quer dizer que ela é garota de programa porque estava curtindo as férias em algum lugar? Cara, para de falar nada com nada! Desde aquele dia na balada tu tá mordidinho pô… melhor cuidar da tua vida e não se meter na minha.”

Depois disso ele se lamentou, dizendo que eu queria discutir por causa de mulher, sei lá do quê, pegou e foi embora. Acabou a amizade ali, se é que existia.

 

O que quero dizer jogadora, é que amigos de verdade querem o bem um do outro.

Se um deles consegue novo emprego, qualquer conquista ou conhece uma garota, ele vai ficar feliz e apoiar. E caso seja contra, vai ficar na dele, pois cada macaco permanece no seu galho.

O resto considero apego, inveja, sentimentos desse naipe.

E respondendo à sua pergunta, demorou pro seu namorado se impor. Saber a hora de curtir com você e depois com o amigo, sem ficar falando de um para o outro. Simples.

Ou mandar o folgado cuidar da vida dele, como fiz no caso acima.

Melhor ainda: apresente o Manual do Jogador Caro pra ele .   😉

 

Abraço do DON

*artigo relacionado: “O que fazer com o cupido carente?”

*comenta aí jogador!


[Novo parceiro]- Surfista Comum

Como alguns leitores sabem, o surf sempre esteve presente na minha vida.
Desde os tempos de escola, com meu cabelo parafinado, junto aos amigos fazendo bagunça no ônibus… até hoje, quando, entre as horas de pesquisa para um artigo e as consultorias do curso, arrumo tempo para mandar algumas manobras em cima da água salgada.

Super man: manobra inspirada no motocross

Dificilmente comento sobre o assunto aqui, pois o foco do blog é outro.

Mas devo confessar que a brincadeira faz um bem indescritível.

Aprendi através do treino de manobras, que evoluir pode ser uma realidade…

Me sinto como uma criança num parque de diversões…

A espera pelas ondas me faz treinar a paciência…

O mar recarrega minhas energias…

A satisfação quando se viaja para conhecer novas praias e pessoas…

Sem contar a adrenalina de pegar um tubo, acertar um aéreo ou uma curva perfeita, que é simplesmente alucinante.

É muita magia envolvida nesse esporte.

 

Acontece que a maioria dos sites voltados para o assunto recicla o material de terceiros, mostrando apenas vídeos de profissionais , fazendo boletins das condições do mar ou contando quem foi o vencedor de uma etapa do circuito sei lá do quê lá na praia não se da onde.

Há tempos eu estava cansado de ver esse padrão.

Até que vieram ao meu conhecimento Jogadores Caros que resgatam a essência do surf, diferente dos citados acima (que não deixam de ter o seu valor também). Estou falando do www.surfistacomum.com.

Nele, você encontra relatos de viagens, opiniões, dicas, artigos muito bem escritos, ou seja, é voltado para caras que pegam onda sem terem qualquer patrocínio no bico de suas pranchas.

A vibe daquela galera é tão positiva, que cederam ao Manual do Jogador Caro uma coluna destacada para compartilharmos nossas ideias por lá. Não é incrível??

Estou bem contente com isso pois farei artigos abordando também o assunto surf, fato que acaba por expandir o meu trabalho.

Então meu amigo, se você é caçador de ondas como eu, apenas simpatiza com o esporte ou pretende ver outros textos do MDJC, fica o convite para acessar o www.surfistacomum.com.

 

Abraço do DON


[Análise do JC]- Quanto investir num início de relacionamento

Segue o caso do leitor em itálico, meus comentários em negrito, e ao fim, a conclusão:

 

“Fiquei com uma garota na noite, bonita e bastante tímida, peguei o contato e conversamos por facebook no dia seguinte. Eu tinha achado ela bem legal e tínhamos muitas coisas em comum e por isso convidei para sair no fds seguinte (sexta). 
Ela sugeriu um cinema porque trabalhava no dia seguinte e tudo ocorreu normalmente, foi legal e logo marcamos um segundo dia que acabou sendo um sushi na segunda. Foi tudo certo também, eu dei uma esquentada de leve mas ela freiou e pediu para voltar para casa.
Durante a semana nós trocamos msg (sempre por iniciativa minha) (aí que já pode ter feito errado) e as respostas foram sempre interessadas, marcamos de nos encontrarmos de novo no domingo, mas no sábado quando eu fui perguntar para ela se tava certo para o domingo ela falou que tinha saído na sexta para uma night e tinha ficado com dor de garganta e desmarcou e não falou mais nada, nesse momento percebi uma certa frieza dela. (vocês iam tomar sorvete por acaso? Que desculpa esfarrapada)
 

 

No domingo pelo chat do facebook puxei um papo (no dia seguinte do bolo já foi puxar papo? Falhou) e falei que gostava de sair com ela e queria saber se ela queria continuar saindo comigo ( tentei ser franco e botar de uma maneira mais direta evitando que ela me enrolasse caso quisesse parar), ela falou que também gostava de sair comigo e que não tinha me dado bolo, que ficou mal mesmo. Falei beleza e perguntei se ela queria marcar alguma coisa, ela disse que só poderia no próximo domingo por estar enrolada (detalhe, quem estava sendo enrolado era você, mais do que um macarrão). Durante a semana, por desconfiança de estar dando muita atenção para ela (aleluia!), não falei nada e nem ela. Já na sexta mandei uma msg perguntando se estava confirmado domingo, ela veio falando que estava muito ocupada mas não respondeu a pergunta, ainda assim mais tarde eu perguntei de novo ela disse que faltava muito para o domingo ainda, “vamos ver” disse . Bom daí entendi que ela não queria mais sair, brinquei que ela complicava muito e me despedi. Fiquei sabendo que nesse dia ela tinha saído para a night. (até o Chapolim suspeitou desde o princípio)
 

 

O caso é, meu caro Don, que no início eu não ligava muito (ligava não, mas já nas mensagens…) e depois de sairmos juntos esse desfecho me incomodou. Gostaria de saber de você se devia ter parado de tentar antes, se foi na hora certa ou se não deveria ter parado, que ainda poderia/pode rolar algo. Cabe uma observação que a amiga com quem ela sempre sai tinha acabado de terminar o namoro e queria curtir a solterice com ela, chamando sempre para várias noitadas, repudiando qualquer relacionamento mais fixo. (isso influenciou mas não foi o principal)
Sinta-se a vontade para criticar, seria legal ter a garota de volta, mas meu principal interesse é aprender com os erros, então pode criticar a vontade.
 

 

Valeu pela ajuda e muito sucesso pra você!

 

 

É meu amigo…
o jogo da pegação nunca foi simples como muitos acham que é.

 

Pelo o que percebi, você foi tomando iniciativas em procurá-la depois que ficaram, acreditando que esse é o papel do homem.
Nesse ponto até concordo contigo.
Só achei que depois do segundo contato, no sushi, não precisava ficar mandando mensagens durante a semana. Seu erro começou aí.
Certamente foi com muita sede ao pote, jogador…
Já aconteceu de você estar morrendo de vontade de dar um gole numa garrafinha d’água e pegar com tanta pressa que chegou a derrubar? Então.
Tanto que ela deu o perdido, foi pra balada e – tadinha né – ficou com dor de garganta.

 

Tudo isso porque comunicou pra ela algo do tipo “gostei de você, no momento não tenho interesse em nenhuma outra garota e por mim topo um romance contigo“.

 

Entendo que suas intenções eram boas, mas disso o inferno está cheio.
Para a relação progredir a garota também deve se mexer. E é papel do JC dar espaço para que isso acontece e observar com olhar crítico cada passo dela.

 

 

Em seguida você tentou ser franco, tipo colocar as cartas na mesa para saber qual era a dela.
Essa jogada não há de ser feita meu brother. Pelo menos no início de uma relação que talvez nem vire relação.
Mulheres e pessoas em geral não curtem ser colocadas contra a parede.
E ressalto que é seu dever se ligar na intenção dela.
Na dúvida, vale mais a pena não dar nenhum passo, do que se precipitar.
Naturalmente, após mais uma série de contatos e investidas suas, ela o enrolou bonito e caiu na balada novamente.

 

Da próxima vez, deixa as mensagens como exceção da exceção. Ficar mandando msg direto é coisa de mulher. Prefira por ligar.
Outra coisa, o interesse, a paixão, despertam mais na ausência da pessoa.

 

O importante mesmo é perceber que você se equivocou um pouco na dinâmica pegatória, isso é certo.
Mas saiba que outros motivos podem ter impedido a continuidade da relação, como

 

1- ela está em ritmo de festa e não quer um rolinho agora (lembra da música do Silvio Santos? É ritmo…. é ritmo de festa!!!)
2- ela simplesmente não te curtiu tanto
3- ela é maria-vai-com-as-outras e deixou a amiga impedir o amor entre vocês (o que considero improvável)

 

Vou te falar rapaz… já tive momentos bons com certas garotas e por qualquer motivo, a parada não andou mais pra frente.
Assim como engrenou com outras e resultou em histórias bem legais, de semanas, meses ou até anos.
O jogo é assim e você não pode parar de jogar.

 

Abraço do DON

[Parábola]- Os três pedreiros

Uma vez um viajante, percorrendo uma estrada, deparou-se com uma obra em início de construção. Três pedreiros, com suas ferramentas, trabalhavam na fundação do que parecia ser um importante projeto. O viajante, aproximou-se curioso. Perguntou ao primeiro deles o que estava fazendo:

– Estou quebrando pedras, não vê? – expressava no semblante um misto de dor e sofrimento – Estou morrendo de trabalhar, isto aqui é um meio de morte, as minhas costas doem, minhas mãos estão esfoladas eu não suporto mais este trabalho – concluiu.

Mal satisfeito, o viajante dirigiu-se ao segundo pedreiro e repetiu a pergunta.

– Estou ganhando a vida – respondeu – Não posso reclamar, pois foi o emprego que consegui. Estou conformado porque levo o pão de cada dia para minha família.

O viajante queria saber o que seria aquela construção. Perguntou então ao terceiro pedreiro:

– O que está você fazendo?

– Estou construindo uma Catedral!

Três pedreiros, três respostas diferentes para o mesmo trabalho. Cada um manifestou sua própria visão.

Para o primeiro, o serviço significava dor e sofrimento. Um sacrifício que certamente tornava a ação muito mais penosa e lhe fazia mal.

O segundo pedreiro manifestou indiferença. Estava conformado mas não realizado. O trabalho nada lhe significava e ele só o fazia por obrigação.

Já o terceiro pedreiro tinha a consciência da importância do que fazia. Desempenhava a função com orgulho e satisfação. Tinha o sentimento elevado de participar de uma grande realização, o que lhe dava muito mais força e energia. Estava realizado.

Tudo depende da forma como enxergamos as cosias.

Abraço do DON


Parábola: A malandragem do Rei Salomão

Salomão herdou o trono de seu pai, o grande rei de Israel, Davi, ainda jovem, após este ter falecido.

Segundo textos bíblicos e extra-bíblicos, certa noite Salomão teve um sonho diferente, onde Deus lhe perguntou o que queria Dele, e o mesmo pediu sabedoria para governar. Seu desejo foi de tanta humildade que além disso ganhou de brinde todas as riquezas materiais que um homem poderia imaginar.

Ao que tudo consta, Salomão era um Jogador Caro.

E sua história mais famosa é de quando foi procurado por duas mulheres que disputavam a guarda de uma criança se dizendo a verdadeira mãe. Parece que uma delas havia dormido acidentalmente por cima do próprio filho e o asfixiado, e agora queria tomar o filho da outra para si.

Mas como saber qual delas falava a verdade?

Cabia ao Rei tomar  a decisão.

Foi naquele momento em que Salomão foi dotado de extrema malandragem e ordenou ao guarda que partisse o neném em dois com sua espada e desse metade para cada mulher.

Uma delas falou em tom egoísta:

“Isso mesmo! Que a criança não seja nem minha nem dela. Que seja dividida ao meio!” 

Ao mesmo tempo, diante da ameaça de morte da criança, a outra clama:

“Não faça isso pelo amor de Deus!! Dê para ela, mas por favor, não o mate!!”

O rei Salomão deu apenas um leve sorrido e setenciou sem sombra de dúvidas:

“Entreguem o menino à mulher que defendeu a vida dele! Essa é a mãe verdadeira.”

 

Faça como esse sábio Rei, meu camarada.

Use sua criatividade para lidar com as difíceis decisões que tomamos ao longo do nosso caminho.

 

Abraço do DON

 


Perfil de um JC: Vanio Coelho

Muitos têm o costume de enaltecer o que está longe ou que vem de fora.

Como o famoso ditado:  “o quintal do vizinho sempre é mais florido”.

Uma pessoa famosa… um produto… tanto faz. O belo encontra-se sempre distante.

Mas que tal valorizar aquilo que está próximo de nós também?

Seguindo essa linha de raciocínio, neste dia dos pais apresento ao leitor do Manual, um Jogador Caro faixa preta: meu pai, Vanio Coelho!

Com apenas 17 anos já dirigia um jornal para jovens chamado O LÍDER (honrando desde cedo o adjetivo Jogador Caro).

Saiu de Tubarão para ganhar a vida nessa área – jornalismo – tendo trabalhado em diversas rádios, jornais, revistas, empresas, também dando aulas e palestras em universidades.

Rapaz… uma coisa é certa, o homem escreve bem.

Provavelmente pelo saudável hábito de ler seus livros e notícias diárias.

 

Lembro de quando era criança e ele me trazia enciclopédias sobre dinossauros, animais, essas coisas. Aprendia muito com aquilo, curtia de verdade.

E me surpreende o fato de eu ter passado muitos anos sem folhar qualquer obra e nunca ser cobrado por isso, sendo que muitos pais tentam impor certas atividades aos filhos.

Mesmo assim, sofria forte influência lendo seus artigos publicados todo domingo na coluna do Cacau Menezes no Diário Catarinense, o principal jornal aqui de Floripa (e do Estado).

Tanto que desde moleque uma das matérias que eu mais curtia na escola era redação.

 

Outra habilidade que desenvolvi de olho no Sr. Vanio foi o senso crítico.

Quando saímos por aí tendo experiências ou lendo histórias e conhecendo diferentes pontos de vista, é como se nossa visão sofresse um poder de alcance bem maior do que o normal. O verdadeiro exercício da inteligência está aí.

Por exemplo: observo-o dando risadas de algumas entrevistas na tv. Tipo o sujeito faz um discurso todo bonitinho, aí ele fala “ahhhh mas aquilo que você fez ano passado trabalhando na empresa X isso você não fala né HAHA hipócrita!!!“.

Isso é típico de quem tem personalidade. Criar opiniões através de conhecimento e princípios.

E foi isso que percebi nele quando cursava o terceiro ano do ensino médio.

 

Estava passando por dificuldade de aprendizado e o medo de repetir de ano me assombrava. Principalmente quando via vários colegas saindo da escola e indo fazer supletivo para fugir daquela situação.

Foi quando falei dessa ideia para ele que ouvi em alto e bom som: “O quê? Nada disso! Você não é um derrotado. Vai estudar e vai passar!!!”.

Se o leitor aí fez supletivo, não me leve a mal. Muitos vão por esse lado pela necessidade, dado o atraso que já tiveram em se formar, etc…

Mas não era o meu caso.

Eu estava jogando a toalha ainda no primeiro tempo do jogo e graças a esse Jogador Caro confiei no objetivo e fui aprovado.

 

Sabe o poderoso chefão, Don Corleone? Lembra que ele tinha um filho que era seu conselheiro?

Aqui é o contrário.

Se eu sou o Don Conejo, meu pai é o fiel consigliere.

Sempre dando sugestões de ouro ao Manual… hoje mesmo ele deu uma, mas é segredo!

Fora as saídas que ele me passa diante diversos obstáculos que surgem em meu caminho, ou as grandes verdades em poucas palavras.

Como na vez em que me viu sofrendo por uma garota, digamos na elegância, piriguete.

Quando me viu chateado, simplesmente parou na porta do quarto e proferiu as sábias palavras:

Meu filho… aquela garota é igual à espeto corrido. Todo mundo come!”

Naquele momento falei para ele não comentar sobre o que não sabia. Pior que o tempo confirmou tal afirmação.

 

Não que ele venha todo dia perguntar como estão as coisas…

E isso foi outra lição que me ensinou indiretamente.

Se você quer algo… vai atrás garoto!

Não fique esperando aquela pessoa vir a você ou tal situação acontecer. ATITUDE!

Até porque, costumamos cobrar dos outros, mas e nós? Você costuma perguntar como seu pai e sua mãe estão? Seus amigos? Dizem que é dando que se recebe.

Só sei que me sinto sortudo e agradecido por ter um pai que cada vez que procuro para conversar, pára tudo que está fazendo, me ouve com atenção e procura dar o melhor feedback possível.

Sem contar as vezes que ensina através de seu comportamento.

 

Tipo durante uma festa de família, quando um parente distante veio e bateu com o dedo na minha cara me mandando ficar ligado porque “supostamente”  eu havia mandado beijo para sua namorada. Em seguida fui empurrado pelo irmão dele de sei lá, 60 anos. Se fosse verdade eu até ia entender. Mas ser acusado de algo que não fiz, dessa maneira… ihhh filhote… foi revoltante. Ainda mais quando eram caras barbados e eu tinha meus 17 anos, por aí.

Rolou a maior confusão. Primas puxando o cara pela camisa, tias berrando, enquanto saí de fininho e fui lá atrás da casa, na churrasqueira, onde estavam tios e primos, e contei para meu pai sobre o ocorrido.

O que fez então?

Mandou eu sentar ao seu lado e ficou observando de longe, pensativo.

Naquele momento não entendi qual foi a ele. Mas hoje imagino o que se passava em sua mente. “Vou lá? Pra quê? Piorar a situação? Dar uma de macho? Precisa disso? Acho que não.”

Foi uma das atitudes mais sábias que já o vi tomar.

 

Não digo que ele é perfeito. Aliás, quem é?

Mas pelas razões que citei acima, por tudo que me ensinou até hoje, por apoiar o Manual do Jogador Caro, por entender e incentivar minha paixão pelo surf, por seus churrascos de sempre, por ouvir música alta, por me passar o incrível hobbie de assistir a filmes desde criança, por me mostrar que as qualidades importam mais que os defeitos, por sua confiança mesmo diante das situações mais difíceis,

Vanio Coelho é para mim o maior de todos os Jogadores Caros!!

Abraço do seu filho,

Thiago (Don Conejo)

*mãe, não fica com ciúmes… te amo tá?!


Análise do JC: A difícil arte de ser seletivo

“No dia a dia em relação às abordagens, ou quando sei que deveria fazer algo desprendido de resultados… vem o pensamento de que é muito esforço pra pouco resultado (Muito diálogo, tempo gasto investindo na pré – suposta, quando no fim das contas a garota nem é lá isso tudo, pois ultimamente só ando encontrando essas bem mais ou menos)… (então você ouviu falar sobre se desprender dos resultados, mas ainda não vive essa verdade, pois acha esforço conhecer mulheres. Já essas “bem mais ou menos” são apenas garotas que não lhe atraem em outros níveis fora o físico. E realmente, quanto mais seletivos somos, mais difícil de encontrar aquela que fecha conosco)

Tá complicado “amar” essas minas… As que são tranquilas faltam personalidade, as que tem personalidade e senso de humor, são drogadas, dadas, materialistas cheias de “esquemas”. Logo penso que não vou me sujeitar… Sou muito mais que isso (acho que ninguém é mais do que ninguém jogador. Você é apenas diferente dessas e não está atraído fortemente por nenhuma garota, faz parte).. mereço algo melhor… no entanto esse algo melhor ainda é utopia… nao to afim de conquistar por conquistar só pra ter mais um número ou uma a mais no meu pé.. inclusive me livrei de boa parte…

Enquanto ao ego, noto em mim ele atuando e tentando se manifestar (boa parte das vezes consegue) e nos outros também, atitudes egocêntricas. E em relação a desconhecidas… várias muito bonitas o dia todo, porém acho que entrei meio que num processo de generalização e nem ando animado pra jogar.. to ligado que é uma fase… mas realmente a beleza não me impressionar mais… vi uma frase que disse ” SE VC FOSSE CEGO, QUAL SERIA A GAROTA IDEAL E POR QUE? ” Eu ja tinha pensado sobre isso.. e vendo a frase, venho refletido isso a muito tempo… enfim… Tens algo a me dizer?”

 

Uma atividade que me ensina muita, mas muita coisa mesmo, é surfar.

Por ser um esporte que depende da natureza, nunca sabemos ao certo se as ondas estarão boas.

Tem dia que o vento é fraco (perfeito) mas a ondulação, muito baixa;

Quando está bombando de onda, o vento fica forte e prejudica a formação delas;

Incrível mesmo é ver através dos boletins de surf na internet, fotos da praia, um dia clássico, aí você faz tudo correndo pois tem certeza que realmente vai valer a pena, e ao chegar lá…. PUF! A maré encheu demais e ferrou com tudo.

Na maioria das vezes ficamos frustrados.

Só que mesmo assim se continua acreditando… chamando os amigos, indo mais uma vez em busca das rampas d’água, até que de repente, justo naquela tarde que você nem tinha tanta pretensão, acaba encontrando a harmonia completa e um dia alucinante de surf que talvez seja lembrado após muitos anos.

Deu pra captar a mensagem?

 

Nosso amigo (que conhece muito os conceitos do MDJC) está desanimado com as opções que vem encontrando.

Realmente, quando damos valor à personalidade da garota, o jeito, humor, sensualidade, enfim… essas características tornam-se imprescindíveis para despertar o interesse do Jogador.

Por isso demora até encontrar.

O ideal é não se identificar muito com essa fase… idealizar, dar significado, como ele está fazendo…

Vai levando sua vida bilie joe!!

Não existe isso de “esforço” para interagir. Você simplesmente abre a boca, da um sorriso ou faz um comentário sempre que ver a oportunidade em sua frente. Desenrola a ideia talvez. E se rolar, pega pra ver qual é!

Quanto mais estiver aberto, mais chances de ela aparecer.

Para finalizar, duas frases de sabedoria:

“Enquanto não se acha a certa, diverte-se com as erradas”

“Se não existe a possibilidade de fracasso, a vitória é insignificante”

 

Agora me dá licença que vou surfar porque a noite tem que dar o curso MDJC que está bombando!

Abraço do DON

 


Perfil de um JC: Pete Dunham (Hooligans)

Um Jogador Caro normalmente é escolhido líder pelas pessoas (ou até por ele mesmo, quando resolve tomar controle da própria vida ao invés de depender da opinião dos outros para tudo).

E o líder de hoje a ser coroado JC é Pete Dunham, personagem do filme Os Hooligans (2005).

Já começo dizendo para não me incomodarem falando que o cara não é exemplo, era brigão, etc…

O Manual do Jogador Caro não é sobre santos.

Não é sobre pessoas perfeitas (elas existem? Em qual planeta?).

É sobre comportamentos que nos inspiram.

 

“Os Hooligans” retrata o mundo dos torcedores ingleses que ficaram famosos por gostarem mais da pancadaria com as torcidas adversárias do que dos jogos em si.

Pete, interpretado por Charlie Hunnan, é o líder da  G.S.E., torcida organizada do time inglês West United.

Podemos notar certa compaixão de sua parte logo no início, quando leva o ingênuo cunhado que acabara de conhecer, ao estádio.

Mas não antes de testar a personalidade do garoto.

É assim que faremos: você me dá seu dinheiro, faz um passeio turístico por aí enquanto eu vou no jogo e depois não conta para meu irmão“.

O americano mostra para o inglês que não é tão pateta e tenta responder com um chute muito louco, que apesar de render boas risadas, acaba transparecendo certa atitude.

 

A partir daí o garoto é acolhido por essa torcida.

Enquanto Pete, com seu jeito largado de andar (que me lembra um amigo meu, o Cuica), ensina o sentido de lealdade, coragem, bom-senso, entre outros valores caros.

Lealdade quando um amigo ajuda o outro e nunca o abandona…

Coragem quando eles olham para a outra torcida num número bem maior e partem para a porrada mesmo assim…

Deixando claro que sou contra violência, principalmente por futebol. Peço aqui para você pegar a mensagem nas entrelinhas, qual seja, enfrentar uma situação difícil com disposição.

Bom-senso quando ele cede seu lugar no metrô à mulher com filho no colo, impede um amigo de bater no outro porque ele estava no chão, espera para tirar a limpo uma história antes de ir na onda dos outros, etc…

 

Tudo isso faz com que Pete seja a referência daquele grupo.

Porque liderança não é simplesmente dar ordens. Quem manda pode até ter poder, mas não a verdadeira autoridade.

Veja um pai que não sabe se comunicar com os filhos, assim como o patrão/gerente que não estimula sua equipe. O professor que não se coloca no lugar dos alunos. São exemplos de falhas na arte de liderar.

 

Outra característica importante do hooligan era ter uma paixão, o futebol.

Pete treinava uns garotos e também dava aulas de história.

Você precisa descobrir suas paixões também jogador.

Não importa o grau de fascinação, mas sugiro gostar muito de alguma coisa.

Por que diabos o sujeito que apareceu no Fantástico ontem ensinando a fazer sobremesas manda tão bem?

Simples. Ele explica com gosto! Passa forte energia em cada dica sobre guloseimas. Ele adora aquilo. E quando se fala de forma interessante sobre qualquer coisa, o frame é que aquilo é interessante e deu. Assim, sua comunicação fica muito mais eficaz.

 

A última coisa que falarei sobre o Jogador Caro de hoje é que ele tinha senso de humor.

Isso, somado aos princípios acima e mais uma dose de atitude, farão com que sua confiança fique nas alturas, melhorando sua vida social e amorosa para siempre cabrón.

Vale a pena conferir o filme para analisar Pete Dunham e a transformação da personalidade do seu cunhado, o “Frodo do Senhor dos Anéis.”

 

Abraço do DON

 

 

 

 

 

 

 

 


Perfil de um Jogador Caro: Zyzz

Quando um leitor do blog, nosso camarada Leonardo, sugeriu que eu analisasse o perfil de Zyzz, minha impressão sobre esse cara foi tipo “Que po** é essa???”.

Para mim era mais alguém cheio de vaidade, um bombado narcisista que via na própria aparência motivo de orgulho e superioridade.

Ao conhecer melhor sua história percebi… como é feio o que fiz. Julgar um livro pela capa.

Zyzz definitivamente se enquadra no perfil de um Jogador Caro!!!

Começando pela coragem em assumir que não era contente com algo em sua vida e que tinha condições de mudar isso: sua magreza.

 

Os tempos de escola foram duros para o russo Aziz Sergeyevich Shavershian.

Criado na Austrália, Zyzz vivia a decepção de seu físico.

Considerado o cara mais magro da sala, constantemente percebia que os alunos mais fortes tinham presença, respeito e mulheres em suas vidas.

Sem demora decidiu que iria mudar aquela realidade, principalmente ao perceber que seu irmão já tinha bons resultados fazendo musculação.

 

Como todo jogador que deseja evoluir num objetivo, Zyzz traçou seu plano.

-Pegou referências para se inspirar: Arnold Schwarzenegger e Frank Zane, ambos fisiculturistas;

-Adquiriu conhecimento: sobre nutricionismo e treino;

-Praticou constantemente.

Se você quiser atingir uma meta, digamos que a fórmula acima é o caminho.

 

Segundo consta, Zyzz levou meses e meses apenas para entender 100% seu projeto (perceba que grandes sonhos não se realizam da noite para o dia).

Passados 4 anos de esforço e dedicação o cara chegou lá.

Músculos e mulheres.

Porém, ainda existe um outro fator que o levou às suas conquistas amorosas e à admiração de milhares de pessoas ao redor do mundo: sua PERSONALIDADE! (o próprio afirmou que adorava fazer um estereótipo de fortão temido e em seguida brincava igual a uma criança, e provavelmente era por isso que tinha tantos fãs)

Muitos o consideram um tipo de Deus até hoje.

Se liga no senso de humor do cara:

Sério, eu ri alto com esse vídeo.

Zyzz tinha uma energia muito contagiante.

O tipo de sujeito que vive a vida de forma espontânea, lembrando a qualidade que toda criança possui.

(você verá mais no final do texto)

 

Noto que sua auto-estima era completa. Por isso a impressão de “foda-se” em todas as atitudes que tomava.

Primeiro porque atingiu o objetivo estético, fato que deve ter criado uma sensação de “tive uma meta e a alcancei” somado à “agora me acho bonito”.

Depois, Zyzz tinha uma paixão, um esporte que amava e fazia completamente parte da vida dele.

Pessoas assim ficam mais atraentes de forma natural.

 

Numa entrevista, ele disse que sua motivação inicial era a aparência e as mulheres.

Mas com o passar do tempo o simples fato de puxar ferro e ter uma nutrição balanceada o deixava realizado física/mentalmente.

Como tinha o costume de postar diversos vídeos dançando igual um pirado, mostrando seus músculos ou falando a primeira coisa que viesse na cabeça (às vezes dava uns bola fora, normal), volta e meia surgia alguém para criticar. Aí Zyzz fez este motivador que revelava suas boas intenções:

 

Depois de lançar o próprio livro sobre musculação e uma marca de suplementos, infelizmente, como parece ser tradição dos Jogadores Caros que apresentamos aqui no blog, Zyzz faleceu com apenas 22 anos de idade por motivos cardio-vasculares (coração).

Dizem que era um problema comum em sua família, tanto que o próprio pai era médico nessa área.

Talvez você esteja pensando que ele tomava anabolizantes e essa foi a causa, ou quem sabe, talvez o uso de algumas drogas durante as fortes baladas que curtia.

Não sei.

De acordo com minhas pesquisas, Zyzz tinha uma alimentação super-regrada (7 refeições por dia), só tomava água e chá-verde, sem fast-foods, doces, usava diversos tipos de suplementos, o que demonstra grande preocupação com a própria saúde.

Tanto que seu físico era considerado por muitos especialistas em fitness como praticamente perfeito.

Mas, na boa… deixemos o julgamento de suas supostas falhas de lado.

Importa é que sua determinação em melhorar o corpo (sua vida amorosa e também sua auto-estima) motiva uma quantidade absurda de pessoas até agora, além do fantástico senso-de-humor que nos lembra de curtir cada momento dos nossos dias.

Descanse em paz sick count, mirim, brah!

 

“Estou triste em anunciar que terminei oficialmente com os treinos, festas, e com ser “Zyzz”. Quero mover minha vida em outras direções e me achar longe deste estilo de vida sem substância, de pessoas e garotas que se eu não parecesse como sou agora, não me dariam um segundo de seus dias… Hora de voltar aos estudos, existe mais coisa na vida fora festar” 

Zyzz escrevou isso no facebook em 1 de abril de 2011 (dia da mentira), pregando uma peça na galera, pois ele não tinha nada que estudar, simplesmente amava seu estilo de vida.

 

“Bomba sua música favorita, visualiza seus objetivos em sua cabeça, elimina toda a negatividade em sua mente e vai com tudo.”

Caramba, essas dicas dele me lembram muito o que fazer quando quero acertar um manobrão no surf.

 

“Obcecado é a palavra que o preguiçoso usa para descrever o dedicado.”

 

fontes: perfil do Zyzz no facebook (https://www.facebook.com/zyzzthetics)

e http://www.simplyshredded.com/exclusive-zyzz-interview.html