Arquivo do mês: agosto 2012

[Análise do JC]- Quanto investir num início de relacionamento

Segue o caso do leitor em itálico, meus comentários em negrito, e ao fim, a conclusão:

 

“Fiquei com uma garota na noite, bonita e bastante tímida, peguei o contato e conversamos por facebook no dia seguinte. Eu tinha achado ela bem legal e tínhamos muitas coisas em comum e por isso convidei para sair no fds seguinte (sexta). 
Ela sugeriu um cinema porque trabalhava no dia seguinte e tudo ocorreu normalmente, foi legal e logo marcamos um segundo dia que acabou sendo um sushi na segunda. Foi tudo certo também, eu dei uma esquentada de leve mas ela freiou e pediu para voltar para casa.
Durante a semana nós trocamos msg (sempre por iniciativa minha) (aí que já pode ter feito errado) e as respostas foram sempre interessadas, marcamos de nos encontrarmos de novo no domingo, mas no sábado quando eu fui perguntar para ela se tava certo para o domingo ela falou que tinha saído na sexta para uma night e tinha ficado com dor de garganta e desmarcou e não falou mais nada, nesse momento percebi uma certa frieza dela. (vocês iam tomar sorvete por acaso? Que desculpa esfarrapada)
 

 

No domingo pelo chat do facebook puxei um papo (no dia seguinte do bolo já foi puxar papo? Falhou) e falei que gostava de sair com ela e queria saber se ela queria continuar saindo comigo ( tentei ser franco e botar de uma maneira mais direta evitando que ela me enrolasse caso quisesse parar), ela falou que também gostava de sair comigo e que não tinha me dado bolo, que ficou mal mesmo. Falei beleza e perguntei se ela queria marcar alguma coisa, ela disse que só poderia no próximo domingo por estar enrolada (detalhe, quem estava sendo enrolado era você, mais do que um macarrão). Durante a semana, por desconfiança de estar dando muita atenção para ela (aleluia!), não falei nada e nem ela. Já na sexta mandei uma msg perguntando se estava confirmado domingo, ela veio falando que estava muito ocupada mas não respondeu a pergunta, ainda assim mais tarde eu perguntei de novo ela disse que faltava muito para o domingo ainda, “vamos ver” disse . Bom daí entendi que ela não queria mais sair, brinquei que ela complicava muito e me despedi. Fiquei sabendo que nesse dia ela tinha saído para a night. (até o Chapolim suspeitou desde o princípio)
 

 

O caso é, meu caro Don, que no início eu não ligava muito (ligava não, mas já nas mensagens…) e depois de sairmos juntos esse desfecho me incomodou. Gostaria de saber de você se devia ter parado de tentar antes, se foi na hora certa ou se não deveria ter parado, que ainda poderia/pode rolar algo. Cabe uma observação que a amiga com quem ela sempre sai tinha acabado de terminar o namoro e queria curtir a solterice com ela, chamando sempre para várias noitadas, repudiando qualquer relacionamento mais fixo. (isso influenciou mas não foi o principal)
Sinta-se a vontade para criticar, seria legal ter a garota de volta, mas meu principal interesse é aprender com os erros, então pode criticar a vontade.
 

 

Valeu pela ajuda e muito sucesso pra você!

 

 

É meu amigo…
o jogo da pegação nunca foi simples como muitos acham que é.

 

Pelo o que percebi, você foi tomando iniciativas em procurá-la depois que ficaram, acreditando que esse é o papel do homem.
Nesse ponto até concordo contigo.
Só achei que depois do segundo contato, no sushi, não precisava ficar mandando mensagens durante a semana. Seu erro começou aí.
Certamente foi com muita sede ao pote, jogador…
Já aconteceu de você estar morrendo de vontade de dar um gole numa garrafinha d’água e pegar com tanta pressa que chegou a derrubar? Então.
Tanto que ela deu o perdido, foi pra balada e – tadinha né – ficou com dor de garganta.

 

Tudo isso porque comunicou pra ela algo do tipo “gostei de você, no momento não tenho interesse em nenhuma outra garota e por mim topo um romance contigo“.

 

Entendo que suas intenções eram boas, mas disso o inferno está cheio.
Para a relação progredir a garota também deve se mexer. E é papel do JC dar espaço para que isso acontece e observar com olhar crítico cada passo dela.

 

 

Em seguida você tentou ser franco, tipo colocar as cartas na mesa para saber qual era a dela.
Essa jogada não há de ser feita meu brother. Pelo menos no início de uma relação que talvez nem vire relação.
Mulheres e pessoas em geral não curtem ser colocadas contra a parede.
E ressalto que é seu dever se ligar na intenção dela.
Na dúvida, vale mais a pena não dar nenhum passo, do que se precipitar.
Naturalmente, após mais uma série de contatos e investidas suas, ela o enrolou bonito e caiu na balada novamente.

 

Da próxima vez, deixa as mensagens como exceção da exceção. Ficar mandando msg direto é coisa de mulher. Prefira por ligar.
Outra coisa, o interesse, a paixão, despertam mais na ausência da pessoa.

 

O importante mesmo é perceber que você se equivocou um pouco na dinâmica pegatória, isso é certo.
Mas saiba que outros motivos podem ter impedido a continuidade da relação, como

 

1- ela está em ritmo de festa e não quer um rolinho agora (lembra da música do Silvio Santos? É ritmo…. é ritmo de festa!!!)
2- ela simplesmente não te curtiu tanto
3- ela é maria-vai-com-as-outras e deixou a amiga impedir o amor entre vocês (o que considero improvável)

 

Vou te falar rapaz… já tive momentos bons com certas garotas e por qualquer motivo, a parada não andou mais pra frente.
Assim como engrenou com outras e resultou em histórias bem legais, de semanas, meses ou até anos.
O jogo é assim e você não pode parar de jogar.

 

Abraço do DON

[Parábola]- Os três pedreiros

Uma vez um viajante, percorrendo uma estrada, deparou-se com uma obra em início de construção. Três pedreiros, com suas ferramentas, trabalhavam na fundação do que parecia ser um importante projeto. O viajante, aproximou-se curioso. Perguntou ao primeiro deles o que estava fazendo:

– Estou quebrando pedras, não vê? – expressava no semblante um misto de dor e sofrimento – Estou morrendo de trabalhar, isto aqui é um meio de morte, as minhas costas doem, minhas mãos estão esfoladas eu não suporto mais este trabalho – concluiu.

Mal satisfeito, o viajante dirigiu-se ao segundo pedreiro e repetiu a pergunta.

– Estou ganhando a vida – respondeu – Não posso reclamar, pois foi o emprego que consegui. Estou conformado porque levo o pão de cada dia para minha família.

O viajante queria saber o que seria aquela construção. Perguntou então ao terceiro pedreiro:

– O que está você fazendo?

– Estou construindo uma Catedral!

Três pedreiros, três respostas diferentes para o mesmo trabalho. Cada um manifestou sua própria visão.

Para o primeiro, o serviço significava dor e sofrimento. Um sacrifício que certamente tornava a ação muito mais penosa e lhe fazia mal.

O segundo pedreiro manifestou indiferença. Estava conformado mas não realizado. O trabalho nada lhe significava e ele só o fazia por obrigação.

Já o terceiro pedreiro tinha a consciência da importância do que fazia. Desempenhava a função com orgulho e satisfação. Tinha o sentimento elevado de participar de uma grande realização, o que lhe dava muito mais força e energia. Estava realizado.

Tudo depende da forma como enxergamos as cosias.

Abraço do DON


Ligue seu sensor anti-manipulação

Buenas cabrón!!

Pode parar de mexer a perna, suar frio e roer as unhas, porque…

O MDJC ESTÁ DE VOLTA!

Estive uns dias ausente pois fui atrás de materiais alucinantes para nossa loja que em breve, muito breve mesmo, será lançada. Você não perde por esperar, pode ter certeza jogador.

Hoje quero dedicar alguns minutos para ligar seu sensor anti-manipulação.

Você já percebeu que é através da visão e da audição que recebemos a maior parte das informações?

O olfato tem seu valor… o tato e o paladar, idem…

Mas uma imagem meu amigo, vale mais do que mil palavras.

Assim como o poder da música encontra-se justamente no alcance das ondas sonoras até nosso interior.

Aquele que busca uma comunicação mais envolvente, treina tanto a oratória quanto sua linguagem corporal, sem esquecer de caprichar na aparência.

É também através desses meios que se consegue manipular o pensamento de indivíduos e até multidões.

Hitler sabia disso, com seus discursos impactantes.

Políticos também.

Emissoras de TV então, vix maria!!

 

O vídeo misturado com áudio pode ser uma ferramenta e tanto para influenciar mentes.

Bom exemplo é uma edição que postaram no Youtube, em Outubro de 2010, durante o segundo turno das eleições para presidência do Brasil, com o título “Dilma 2012 – o fim está próximo“.

A ex-vereadora e coordenadora digital do PSDB, Soninha Francine, junto à sua equipe, publicou na internet um vídeo assustador prevendo como seria o governo da candidata rival de José Serra, a atual presidente Dilma.

Foi uma tentativa forçada de manipulação através do medo, já que Dilma disparava nas pesquisas eleitorais.

Perceba a música… o tom da narrativa… as fortes imagens… e as emoções que eles tentam despertar:

(*o foco do MDJC não é político. Comentários dessa natureza não serão publicados)

Dá até medo né? Mas foi tão forçado que o povo se ligou da apelação.

 

Não julgo errado mexer com as emoções das pessoas, mesmo porque eu gosto de me emocionar de cantinho.

Me pergunte qual tipo considero um bom filme.

Depende da história, roteiro, atuações, trilha sonora, fotografia, e certamente, da qualidade dos sentimentos que produz em mim.

Mas fazer isso na intenção de cegar uma pessoa para tirar proveito, é sacanagem.

 

Lembrei agora do interessante “Mera Coincidência” (Wag the dog – 1997), que trata da manipulação de emoções.

Após o presidente dos EUA envolver-se num escânda-lo sexual, suas chances de re-eleição diminuem drásticamente, até que assessores têm a ideia de inventar um fato que desviasse a atenção dos eleitores. Contratam então um produtor de Hollywood e um dos maiores profissionais de marketing do mercado para inventar uma guerra na Albânia, cheia de patriotismo e efeitos especiais.

Foi o suficiente para os americanos esquecerem a taradisse do presidente e logo mais vê-lo como herói.

Se pararmos para analisar, ocorreu algo semelhante quando o perturbado George Bush mandou  o exército invadir o Iraque, pois pretendia abafar o sentimento de impotência americano após os atentados terroristas de 11 de setembro.

Logicamente não falo de ter sido uma história inventada como a do filme… mas os motivos da invasão? Armas nucleares que ameaçavam o mundo? Tá bom, conta pro boneco.

 

Você pode ver manipulação de diversos lados.

Líderes safados, certas igrejas, alguns vendedores, políticos, estelionatários, etc…

Falo de gente que influencia atitudes alheias visando somente benefício próprio, onde causam prejuízos aos outros sem que os mesmos percebam.

Já fui vítima certas vezes.

Um sujeito me abordou na rua cheio da lábia fazendo propaganda de um cd player para carro. Ele entrou na minha mente e acabei ligando para um amigo oferecendo o produto. Ele veio, o cara nos levou até um lugar para pegar o tal som, e acabou que saiu de fininho por outro canto e nunca mais vimos, nem o aparelho e nem o dinheiro de volta.

Até outro dia, um cidadão veio a mim dizendo que tinha uma proposta incrível, mas que não podia falar o que era… que eu precisava assistir a uma vídeo-conferência… que era algo visual, novo, números expressantes… sucesso na certa!! No final das contas, queriam que eu comprasse uma porrada de produtos e criasse uma equipe de vendedores que também tinham que comprar outra porrada de produtos e assim sucessivamente. Quando falei que não tinha interesse, ainda tentou formas de me convencer. O que valeu a pena foi observar todas as maneiras sofisticadas de indução daquela empresa e o quanto aquilo não me afetava nem um pouco.

 

Manipulador nato foi Alan Harper num episódio de “2 and a half man”.

Pela primeira vez na série ele consegue entrar na mente de seu irmão, a lenda Charlie Harper, influenciando-o a pegar a garota que estava esperando na sala. Charlie não queria pois era filha de uma mulher com quem estava envolvido. E por algum motivo que não me recordo, Alan usa de extrema persuassão pois queria que Charlie se complicasse depois.

Infelizmente, só achei o final da cena. Mas dá pra sentir o gostinho do vigarista:

 

Dicas para ligar o sensor anti-manipulação:

1- quando a esmola é demais, o santo desconfia. Fique ligado quando prometerem muitas vantagens, pois dificilmente nos dão algo sem querer nada em troca.

2- sabe aquele amigo que só fala contigo com algum objetivo? Nunca apenas para perguntar como vão as coisas… é a mistura de manipulador com aproveitador.

3- cuidado com os que ficam de “leva e traz”. Os mesmos que trazem fofoca, também levam. 

4- elogios sem serem explicados podem ser indícios de manipulação.

5- a verdade pode ter mais de um lado. Cuidado ao acreditar 100% numa versão.

O JC procura ter uma veia mais crítica, sem seguir sempre o rebanho. Evita ser um “maria-vai-com-as-outras” ou deixa o olho brilhar por qualquer coisa.

Por outro lado, cuidado ao desconfiar demais para não virar paranoico, ok?!

Abraço do DON


Parábola: A malandragem do Rei Salomão

Salomão herdou o trono de seu pai, o grande rei de Israel, Davi, ainda jovem, após este ter falecido.

Segundo textos bíblicos e extra-bíblicos, certa noite Salomão teve um sonho diferente, onde Deus lhe perguntou o que queria Dele, e o mesmo pediu sabedoria para governar. Seu desejo foi de tanta humildade que além disso ganhou de brinde todas as riquezas materiais que um homem poderia imaginar.

Ao que tudo consta, Salomão era um Jogador Caro.

E sua história mais famosa é de quando foi procurado por duas mulheres que disputavam a guarda de uma criança se dizendo a verdadeira mãe. Parece que uma delas havia dormido acidentalmente por cima do próprio filho e o asfixiado, e agora queria tomar o filho da outra para si.

Mas como saber qual delas falava a verdade?

Cabia ao Rei tomar  a decisão.

Foi naquele momento em que Salomão foi dotado de extrema malandragem e ordenou ao guarda que partisse o neném em dois com sua espada e desse metade para cada mulher.

Uma delas falou em tom egoísta:

“Isso mesmo! Que a criança não seja nem minha nem dela. Que seja dividida ao meio!” 

Ao mesmo tempo, diante da ameaça de morte da criança, a outra clama:

“Não faça isso pelo amor de Deus!! Dê para ela, mas por favor, não o mate!!”

O rei Salomão deu apenas um leve sorrido e setenciou sem sombra de dúvidas:

“Entreguem o menino à mulher que defendeu a vida dele! Essa é a mãe verdadeira.”

 

Faça como esse sábio Rei, meu camarada.

Use sua criatividade para lidar com as difíceis decisões que tomamos ao longo do nosso caminho.

 

Abraço do DON

 


Análise do JC: O que aprender com os joguinhos dela?

“Conheci essa mulher quando ainda não fazia ideia do que era ser um jogador caro, já que a analogia é óbvia, eu tinha meus vislumbres de craque mas me faltava objetividade.
Nos conhecemos na metade do ano passado, desde então nos encontrávamos com frequência, não chegando a ser um namoro, mas em dezembro ela começou a dar sinais de que não estava mais curtindo (agora percebo que ela estava esperando mais iniciativa de minha parte, para propor o namoro).
(tem certeza? Pode até ser… como pode simplesmente ter cansado do lance, se interessado por outro, etc…)
Nesse período ela estava com aulas da especialização dela e ficamos sem nos ver por um mês e meio aproximadamente, importante falar que eu estava apaixonado por ela (cagada, fiquei cego), quando voltamos a nos falar queria saber porque ela não tinha gostado, ela tentou desconversar mas falou que esperava mais atitude de minha parte.
(é isso que eu digo. Por mais que ela quisesse firmar um compromisso, toda garota sente quando o cara está apaixonado, e nenhuma desiste se o sentimento for recíproco)
Nessa conversa que tivemos não brigamos ou nos ofendemos em nenhum momento, então ela me disse que gostaria de manter contato comigo porque me achava uma pessoa legal e gostaria que fossemos amigos, analisei por um tempo e falei para ela que gostaria de continuar amigo dela, acho uma pessoa muito boa e ótima amiga, mas que para manter somente a amizade deveríamos evitar falar sobre intimidades e relacionamento, ela concordou.
Porém, uma semana depois, adivinha o que acontece, ela vem me perguntar se eu estava de olho em alguém ou algo assim, fiquei sem reação, toda a conversa que havíamos tido não serviu de nada. Tudo bem, dei uma resposta qualquer e segui a vida.
(já imaginou que ela pode ter perguntado porque a mesma já estava de olho em outro cara e estava com um pé atrás em te magoar?)
De um tempo pra cá, uns 2 meses, ela voltou a me dar indiretas, neste momento já conhecia o MDJC, joguei mais duro com ela, aquele jogo de puxa empurra ela ficou maravilhada.
Convidei ela pra uma festa e deixei bem clara a minha intenção, ela topou. Aqui tenho que explicar que a menina é bonita pra caramba e ainda tem aquela sensualidade e é extremamente carismática, já sabia que ela tinha muitos amigos, sim homens também, e como bem dito pelo MDJC de 10 amigos no mínimo 9 querem algo, com ela no mínimo 10.
Bom, continuando na festa ficamos conversando com um grupo de amigos e eu conversando com ela, depois de uns 15 minutos, estava rodeada de homens dando atenção a ela, alguns amigos que eu não conhecia, era visível o seu prazer ao ficar sendo paparicada por todos aqueles homens ao mesmo tempo.
(nossa… você que a convidou para a festa e ela tendo essa atitude)
O que fazer? (conversar com outras garotas de forma interessada seria uma boa, pegar telefones, e em último caso, agarrar alguma ali mesmo) 
Falei no ouvido dela que iria para um lugar mais calmo porque ali estava muito “cheio”, quando virei as costas pra sair ela me puxou pelo braço e perguntou se eu estava bem em resumo fez um carnaval sendo que eu somente iria dar uma volta. (incrível como essas jogadoras mantém um frame de superioridade)
Um tempo depois ela veio atras de mim então voltamos a nos reunir (eu, ela e alguns amigos em comum), comecei a jogar mais agressivamente, a balada era eletrônica e ela estava curtindo, me falou que a musica que estava tocando era muito boa, então falei dança aqui comigo, ela estranhou e falou que essa musica não se dançava junto e desculpinhas (tsc tsc tsc), um minuto depois estava dançado com um “amigo” dela, cheguei no seu ouvido e falei que o jogo tinha acabado, ou escolhe os teus “amigos” ai te lambendo ou vamos para um lugar reservado só eu e você. (aqui você se rebaixou mesmo)
Não sei se ela queria continuar jogando mas o fato é que não veio atras. (até a mãe dinah previa essa)
Bom até ai tudo certo a derrota também faz parte. Porém, na mesma semana voltou a fazer joguinhos comigo, pelo msn, facebook, passado um tempo, um mês, me convidou para fazermos uma viagem para os canyons aqui no RS quase divisa com SC, falei que sim, não conhecia ainda e adoraria ir com ela (assim? Depois de te tirar para capacho na festa que VOCÊ a convidou pra ir? Mandou mal em aceitar), só que nessa viagem ela levou um “amigo” (outro que, já tinha visto, falado algumas vezes), percebi que ela estava tentando esconder alguma coisa, desconfiei na hora, estava quase certo que havia um lance entre os dois.
Uma pausa para falar que isso não seria problema nenhum, contanto que ela não me escondesse o jogo.
A verdade é que se ela deveria ter me dito para que eu tirasse meu time de campo. (discordo, ela não deveria ter feito nada, e sim, você, se valorizado e cortado as asinhas dela, tirando seu time de campo).
Bom descobri durante a viagem que ela estava ficando com ele, a pouco tempo pelo que eu pude perceber. Na volta da viagem, esta segunda, escrevi pra ela que ela deveria ter me contado, porque fiquei fazendo papel de bobo, ela me respondeu que eu não tinha nada que ver com quem ela se relacionava, sendo que em qualquer momento comentei algo sobre essa pessoa, ou que ela não devia se relacionar com ele, simplesmente cobrei que ela deveria ter me falado, novamente ela negou que tinha pisado na bola comigo, respondi que quando ela percebesse o erro que cometeu ela voltasse a falar comigo, se ainda queria manter a nossa amizade. (o porque qualquer possibilidade de relacionamento já era). (parabéns, você foi praticamente um massagista profissional do ego dela e a garota tirou onda com sua cara)
 
Minha dúvida é a seguinte, acredito que agi corretamente. (eu não iria por esse caminho)
Sei que em alguns momentos falhei mas gostaria de levar o conhecimento dessa relação para comigo, por isso peço uma ajuda para a análise da situação. Pode puxar a orelha a vontade.” 
Pera aí então…
Deu!
Como o caso ficou bem extenso, serei o mais objetivo possível.
Algumas pessoas gostam de fazer joguinhos de manipulação porque isso traz certa sensação de poder a elas.
Principalmente jogadorinhas com uma lata bonita.
Se você tivesse iludido a garota em outro momento, pego várias, brincado com os sentimentos dela, talvez até teria motivos para isso tudo.
Mas ao meu ver, ela quis apenas sentir o que falei acima, e você meu caro, na primeira atitude dela sem integridade, já tinha que ter pulado fora.
Nunca aceite comportamentos que despreza. Do contrário, será uma bola de neve e você perderá tempo, energia e outras oportunidades dando atenção para uma perversa como essa.
Falo com conhecimento de causa pois já passei por isso e vi muita gente passar.
E dane-se! Agora você está vacinado my brother e isso que interessa.
Abraço do DON
*quer entender melhor a mente desse tipo de fêmea e como lidar, aconselho os livros de Nessahan Alita.
*comenta aí jogador!

Os 93% do Facebook

Quem cochicha o rabo espicha e quem se importa o rabo entorta.

Tá aí uma grande verdade.

Mas venho compartilhar com você, leitor do MDJC, uma questão que me intriga.

É relativo ao nosso querido Facebook.

Presumo que volta e meia alguém o convida para ser seu “amigo”.

Por vezes é até um camarada mesmo, mas normalmente, são conhecidos que temos afinidades, ex-esquemas de tempos atrás, parentes, colegas da época da escola, e uma grande parte que nem lhe cumprimenta por aí.

Mas digamos que você é seletivo.

Adiciona somente quando acredita rolar certa consideração recíproca.

Mesmo assim, sinto lhe informar: Não adianta, jogador… tanto faz se você possui em sua lista 4 mil pessoas ou 200, irá sempre se deparar com

 

OS 93% DO FACEBOOK!!!

 

Exato.

Constatei em minhas pesquisas que 93% não curte o que você posta, não comenta, não compartilha e nem fala contigo no bate-papo. E nem responde direito!

Desde perfis pessoais de desconhecidos, até famosos como o Will Smith e seus 34 milhões de admiradores, fanpages de grandes marcas, ou a personagem dos palitos de dente, Gina Indelicada, que já alcançou a marca de 900 mil curtidas por suas divertidas postagens… todos eles recebem no máximo 7% de feedback.

Até o MDJC, com seus quase 800 jogadores e jogadoras, confirma esse dado. Pode ir lá ver.

Fico me perguntando, por que será?

Tudo bem, acredito que temos o direito de participar dessa mídia social da forma como acharmos mais satisfatória para nós mesmos.

Só que fala sério… 93% é quase todo mundo!

Da onde vem tanta apatia??

Seria timidez em se manifestar?

Mas é só apertar “curtir” aqui, dar um “ai” ali.

Ficar em cima do muro é coisa de coruja e não de ser humano.

 

Sinceramente, está faltando mais conexão. Mais tesão em interagir com os outros, fazer piada, debater uma tese, incentivar e expor ideias, partilhar informações (interessantes ou bobinhas), enfim… Dizer ao mundo que está vivo!!!

Já pensou se você curte um trabalho de seu amigo e outra pessoa da sua lista que é envolvido com aquela área vê, se interessa e o contrata, simplesmente por causa de sua curtida? Percebe o poder dessa ferramenta?

Não consigo entender o que se passa na cabeça de um sujeito que lhe adiciona como “amigo” e parece mais um finado, um zumbi, sei lá!

Imagino somente duas hipóteses:

1- É um espião que observa à sua vida com olhos de invejinha para ficar de ti-ti-ti pelas costas

2- O sujeito/fulana quer dar uma dewow tenho 2 mil amigos, eu sou legal, vejam!

 

Tem também aquele que quase nunca acessa.

Porém, pode ter certeza, assim como uma raposa que age na calada da noite, vez que outra ele vai de cantinho e espia seu perfil.

Ahhhh!!! Sai da moita tatu!!!!

Tanto faz se você publica apenas fotos de comida, montagens engraçadas, música, bebedeira, vídeos, trabalho, piadas… mesmo se for uma dondoca que bate foto se olhando no espelho com um decote gigante e fazendo biquinho… ou um eterno apaixonado que se declara todo dia à sua amada…

Bem que você podia parar um pouco de falar de si mesmo e contribuir para o dia de seus conhecidos.

 

Pois a questão é, o que você prefere?

Ser dos 7% que interagem de alguma maneira, mesmo que particularmente,

ou dos 93% de espiões que por diferentes motivos estão presos na zona de conforto, sem tomar qualquer tipo de atitude no facebook e provavelmente em suas vidas?

 

Abraço do DON

*comenta aí jogador!


[vídeo] Tony Montana, Jogador Caro – parte 1

Se você ainda não assistiu ao filme Scarface, vai correndo atrás jogador, porque é tiro certo!

O personagem interpretado pelo mestre Al Pacino, o cubano Tony Montana, dá um show de diversas formas.

Comete muitos erros, isso é verdade.

Mas seus acertos ficaram marcados pra sempre no universo do cinema mundial.

E o MDJC analisa a partir de hoje alguns deles.

Confira a parte 1 sobre o jogo de sedução do cabrón e veja como pode usar alguma coisa no seu próprio jogo.

É quente ou não é?

 

Espere então para ver o restante.

Manual do Jogador Caro, alguns tentam copiar, mas NUNCA SERÃO!!!

 

Abraço do DON


Análise do candidato no programa “Vai dar namoro”

Este programa da tv Record é divertido.

Rodrigo Faro apresenta candidatos a conhecer garotas e quem sabe rolar um lance.

Então o sujeito fala sobre si e talvez alguma delas conceda uns minutos de conversa ao galanteador.

De vez enquando até dá liga…

Só que a maioria deles manda MUITO mal.

Confira um exemplo:

Começa que a produção manda o sujeito entrar correndo, sei lá, pra botar uma energia talvez.

Só que é péssimo.

No lugar dele eu diria que dispensava isso.

Caso eles insistissem, chegava na hora e entrava andando no meu estilo e deu.

Em seguida, outra situação complicada: começar a dançar como um gogo-boy (striper masculino).

Pra quê se expor ao ridículo assim?

Pra quebrar algum gelo?

Jogador Caro não precisa disso. No máximo, evitando dar uma de estraga-prazeres ao lado do apresentador dançarino, eu faria alguns movimentos, mas bem reservados.

Já no início da conversa, “fulano, quantos anos você tem? E faz o que da vida?”

Aí meu amigo… se você não tem uma profissão que desperta a curiosidade ou traz certo status, é hora de ser criativo. Pois Rodrigo Faro não perguntou exatamente no que ele trabalhava, e sim, o que fazia da vida.

Aproveito cada momento da vida Faro… valorizo quem está do meu lado, gosto de dar umas risadas, surpreender… e nas horas vagas, trabalho como técnico de informática“(ex.)

Digo isso porque mulheres querem caras diferentes. Conhecer o sexo oposto passa longe de ser uma entrevista de emprego.

Principalmente pelo fato de a primeira impressão ser a que fica. Temos poucos segundos e minutos para instigar o interesse numa investida.

Mas o problema é que Jorge Daniel não conhece o MDJC.

Tanto que ao ser perguntado se está namorando muito e a quanto tempo rola a solidão, tadinho… ele coçou a cabeça, fez uma cara de cão sem dono, totalmente carente, e pediu para mudar de assunto! Para melhorar, passou a data de 2 anos sem estar com uma mulher.

Aí não né tio!!!!

Pára com isso na boa!!

Independente se estivesse encalhado ou não, eis o que eu certamente falaria:

Quanto tempo exatamente eu não namoro não faz diferença… já diz a música, solteiro sim, sozinho nunca! (aí provavelmente o Faro ia fazer um auê, tocar música, etc.. então eu pediria para falar mais)

Namorar é um compromisso sério para mim. E não adianta a garota ter um rostinho bonito, um corpão, ou até um beijo bom. Eu tenho que realmente me envolver para assumir esse compromisso. Aliás, não estou aqui para arrumar uma namorada. Estou aqui para conhecer alguém, ver o que rola, um romance talvez… O que importa é o agora, o amanhã vai ser apenas consequência”.

É nocaute jogadoooorrrrr!!!

Valorize seu passe! Ou quem valorizará?

Pode perceber que o carinha até demonstra ser gente fina e tal.

Mas só isso não basta para ser desejado.

A confiança misturada com a paz é o que pode causar atração.

 

Abraço do DON

*comenta aí Jogador!!


Novo parceiro: Atitudes Masculinas

Quem acompanha o MDJC sabe que temos orgulho em apresentar materiais de diversas fontes.

Pode ser um vídeo, um texto, tanto faz. Basta ter qualidade que tentamos conceder espaço.

E um blog que faço questão de recomendar todos os dias de agora em diante é o Atitudes Masculinas, de Douglas Vlorenz!

Dá pra perceber que o lance é quente só pelos Jogadores Caros do banner, diz aí?

Se você está cansado de ter sua energia masculina reprimida pelos deturpados rumos que a sociedade vem traçando de tempos para cá, tá aí um material que vai contra essa corrente.

 

Ui, só podia ser coisa de homem…” algumas dondocas falam. E eu respondo: é mesmo. E Homem, com H maiúsculo. Só o que faltava eu ter vergonha de ser um!

Sabe o que acontece jogador? Elas não tinham direitos básicos no passado, o que era uma puta injustiça.

Mas nem por isso precisavam tentar se igualar a nós em praticamente tudo.

Por isso começaram a ter atitudes de essência masculina, enquanto os homens são forçados a serem femininos.

 

Ou vai me dizer que um vampiro charmoso é masculino?

Um sertanejinho com cabelo de emo e voz fina?

Jogador era o Tom Cruise em Top Gun!

Marlon Brando em Um bonde chamado desejo!!

Mickey Rourke, 9 semanas e meia de amor!

 

Cuidado meu amigo, com o que a mídia e a sociedade em geral tentam pôr na sua cabeça.

Ciúmes exagerados? Medo de puxar assunto? Ser passivo? Carente? Emotivo demais? Reativo?

Sinto lhe dizer, são todas qualidades mais femininas do que masculinas e é melhor prestar atenção nisso.

 

Doutrinas espirituais explicam esse fênomeno da falta de equilíbrio entre o yin e yang.

Que começou da forma que falei, no passado, quando o homem fez mau uso de sua força e raciocínio lógico menosprezando as mulheres.

Depois, elas exageraram na busca por justiça e – movidas pela sua natureza emocional – quiseram ocupar todas as áreas masculinas, cheias de râncor e feminismo.

Porém, agora está sendo manifestada uma nova safra de homens que resgatam toda a essência masculina ao mesmo tempo em que respeitam o valor das mulheres (diferente dos antepassados).

É nessa pegada que a chamada guerra dos sexos vai chegar ao fim.

Todos saberão por instinto quais energias devem produzir e cada vez mais as pessoas se atrairão com facilidade.

 

Esse é um dos focos do Manual do Jogador Caro, e se você procura conhecer melhor esse seu lado, saiba que temos mais uma fonte de aprendizado: o Atitudes Masculinas.

 

Abraço do DON

 

*pra quem quiser ler um artigo porrada sobre as diferenças da energia masculina e feminina, ele é espiritual, mas independente de sua crença, verá que faz sentido: http://www.jeshua.net/por/healing/healing5por.htm 

 

 

 

 

 

 

 

 


Parábola: Coragem

Diz uma antiga parábola que um camundongo vivia angustiado com medo do gato.


Um mágico teve pena dele e o transformou em gato.

Mas aí ele ficou com medo do cão, por isso o mágico o transformou em pantera.

Então ele começou a temer os caçadores.

A essa altura, o mágico desistiu. Transformou-o em camundongo novamente e disse:
– Nada que eu faça por você vai ajudá-lo, porque você tem apenas a coragem de um camundongo. É preciso coragem para romper com o projeto que nos é imposto. Mas saiba que coragem não é a ausência do medo, é sim a capacidade de avançar, apesar do medo; caminhar para frente; e enfrentar as adversidades, vencendo os medos…

É isto que devemos fazer. Não podemos nos derrotar, nos entregar por causa dos medos.

Senão, jamais chegaremos aos lugares que tanto almejamos…

 

Abraço do DON