Arquivo do mês: julho 2012

Perfil de um JC: Pete Dunham (Hooligans)

Um Jogador Caro normalmente é escolhido líder pelas pessoas (ou até por ele mesmo, quando resolve tomar controle da própria vida ao invés de depender da opinião dos outros para tudo).

E o líder de hoje a ser coroado JC é Pete Dunham, personagem do filme Os Hooligans (2005).

Já começo dizendo para não me incomodarem falando que o cara não é exemplo, era brigão, etc…

O Manual do Jogador Caro não é sobre santos.

Não é sobre pessoas perfeitas (elas existem? Em qual planeta?).

É sobre comportamentos que nos inspiram.

 

“Os Hooligans” retrata o mundo dos torcedores ingleses que ficaram famosos por gostarem mais da pancadaria com as torcidas adversárias do que dos jogos em si.

Pete, interpretado por Charlie Hunnan, é o líder da  G.S.E., torcida organizada do time inglês West United.

Podemos notar certa compaixão de sua parte logo no início, quando leva o ingênuo cunhado que acabara de conhecer, ao estádio.

Mas não antes de testar a personalidade do garoto.

É assim que faremos: você me dá seu dinheiro, faz um passeio turístico por aí enquanto eu vou no jogo e depois não conta para meu irmão“.

O americano mostra para o inglês que não é tão pateta e tenta responder com um chute muito louco, que apesar de render boas risadas, acaba transparecendo certa atitude.

 

A partir daí o garoto é acolhido por essa torcida.

Enquanto Pete, com seu jeito largado de andar (que me lembra um amigo meu, o Cuica), ensina o sentido de lealdade, coragem, bom-senso, entre outros valores caros.

Lealdade quando um amigo ajuda o outro e nunca o abandona…

Coragem quando eles olham para a outra torcida num número bem maior e partem para a porrada mesmo assim…

Deixando claro que sou contra violência, principalmente por futebol. Peço aqui para você pegar a mensagem nas entrelinhas, qual seja, enfrentar uma situação difícil com disposição.

Bom-senso quando ele cede seu lugar no metrô à mulher com filho no colo, impede um amigo de bater no outro porque ele estava no chão, espera para tirar a limpo uma história antes de ir na onda dos outros, etc…

 

Tudo isso faz com que Pete seja a referência daquele grupo.

Porque liderança não é simplesmente dar ordens. Quem manda pode até ter poder, mas não a verdadeira autoridade.

Veja um pai que não sabe se comunicar com os filhos, assim como o patrão/gerente que não estimula sua equipe. O professor que não se coloca no lugar dos alunos. São exemplos de falhas na arte de liderar.

 

Outra característica importante do hooligan era ter uma paixão, o futebol.

Pete treinava uns garotos e também dava aulas de história.

Você precisa descobrir suas paixões também jogador.

Não importa o grau de fascinação, mas sugiro gostar muito de alguma coisa.

Por que diabos o sujeito que apareceu no Fantástico ontem ensinando a fazer sobremesas manda tão bem?

Simples. Ele explica com gosto! Passa forte energia em cada dica sobre guloseimas. Ele adora aquilo. E quando se fala de forma interessante sobre qualquer coisa, o frame é que aquilo é interessante e deu. Assim, sua comunicação fica muito mais eficaz.

 

A última coisa que falarei sobre o Jogador Caro de hoje é que ele tinha senso de humor.

Isso, somado aos princípios acima e mais uma dose de atitude, farão com que sua confiança fique nas alturas, melhorando sua vida social e amorosa para siempre cabrón.

Vale a pena conferir o filme para analisar Pete Dunham e a transformação da personalidade do seu cunhado, o “Frodo do Senhor dos Anéis.”

 

Abraço do DON

 

 

 

 

 

 

 

 


Mecanismos de defesa do ego

Depois que apresentei a primeira parte do seminário Jogador Caro aqui no blog, chegaram várias dúvidas por email relativas ao assunto EGO.

Um ego forte/saudável deveria ser a busca de todo JC.

Principalmente porque um ego frágil/ou arrogante produz diversos tipos de comportamentos que prejudicam sua vida.

Sigmund Freud, o fundador da psicanálise, estudou bem esse assunto.

Compartilho com você alguns dos principais meios de defesa que ele decifrou partirem do ego.

 

1- Negação

Quando uma repórter perguntou a Charlie Sheen sobre ter se arrependido das ofensas públicas que fez ao elenco de seu antigo seriado, 2 and a half man, ele respondeu: “Eu havia perdido meu emprego, meus amigos, minha saúde, a confiança de minha família. Como alguém assim poderia estar ‘ganhando’ (jargão que utilizava muito na época). Com certeza eu estava num processo de negação“.

Essa é uma forma clássica de não assumir responsabilidade por nossos atos.

Até faço isso de brincadeira quando alguém diz que falei tal besteira um dia, costumo responder com um leve sorriso “eu não falei isso”.

Por vezes fazemos isso inconscientemente. Nos lembramos dos fatos de forma diferente com que aconteceram ou faltou um olhar mais lúcido naquele momento que mostrasse a realidade.

 

2- Minimização

Muito usado nos momentos de persuassão.

“Ah vamos lá, só um pouquinho…”.

“Eu não deveria beber hoje… mas só uma geladinha né?”.

“Poxa, um cigarrinho não faz mal!”.

Tantos faz se é outra pessoa ou a si mesmo que se está enganando.

Você nunca vai ouvir de um vendedor o valor de “Vintão”, e sim, “po, vintinho, só pra você“.

Existe uma gíria que é usada por todo Jogador Caro aqui de Floripa, que é “de-cantinho”.

“Tocou pra balada hoje? De boa, de cantinho”? Essa aí ta liberada galera.

 

3- Racionalização

Não sou de ver novela e também nada contra quem gosta.

Mas sabendo do tal garanhão “Cadinho”, acabei deixando numa cena para ver qual era a dele.

Ao ser interrogado por diferentes mulheres em diferentes situações, o cara mandava sempre o mesmo papo. Algo do tipo “Eu queria ficar apenas com você… mas você exagerava nos ciúmes, via coisa onde não tinha, e isso me sufocou“.

Ele pratica a arte de racionalizar.

Arruma argumentos lógicos para disfarçar os verdadeiros motivos de uma atitude.

 

4- Projeção

Essa vem lá do ego mesmo.

Assistindo ao programa A Fazenda com minha coroa outro dia, vi duas fofoqueiras chamando outras garotas da casa de fofoqueiras. Foi engraçado.

E elas estavam justamente projetando seus próprios defeitos.

Por isso que falo sobre a importância de notar e valorizar as qualidades alheias. Porque alguém que fica o tempo todo criticando e vendo o lado negativo de tudo, não percebe que ela mesma pode estar fazendo parte do problema.

 

5- Hostilidade

Em casos como o da foto, é uma hostilidade até aceitável, frente a todas as besteiras que Bush fazia.

Mas sabe quando você puxa assunto com um grupo na balada, tem uma garota bem linda junto e os caras não dão abertura? Essa é a hostilidade em forma de defesa do ego, ou melhor, da pretendida.

O egozinho dos sujeitos palpita em suas mentes “Perigo! Perigo! Jogador Caro se aproximando! Posso perder minhas chances com ela!”

É daí que se diz que a melhor defesa é o ataque.

 

Ainda existem vários outros mecanismos de defesa do ego, conscientes e inconscientes, e nos mais diversos graus. Cabe a nós percebermos.

Valeu jogador, agora tenho lugares para ir e pessoas para ver. Boa sexta!

 

Abraço do DON

 

 

 


[vídeo] Dicas de livros

Ler é uma atividade engraçada.

Parece chato…

Mas quando por algum motivo você lê algumas páginas de um livro que lhe interessa, WOW!!!

É viciante.

Sua imaginação exercita e toda hora dá vontade de folhar aquela obra.

Eis alguns benefícios da literatura:

-bom passatempo em momentos de ociosidade, andando de ônibus, esperando alguém, etc…

-bom sonífero

-melhora sua criatividade

-lhe dá conhecimento

-melhora seu vocabulário

-amplia suas ideias

-dá mais poder de argumentação

-acesso a cultura

-torna suas conversas mais interessantes, com mais conteúdo

 

Preciso falar mais?

Boa leitura!


Cenas do seminário ‘Jogador Caro’

Há alguns meses atrás tive o prazer de gravar meu primeiro seminário para a área vip do fórum Puabase.

E como gosto muito do leitor do MDJC, vou apresentar os primeiros 30 minutos, agora mesmo!

Alguns tópicos deste vídeo:

-O surgimento do termo Jogador Caro em relação ao jogo 

-Paixonite

-Ego e seus níveis de consciência

Já na outra parte que só pode ser assistida pelos membros cadastrados do PB, está mais 1 hora sobre:

-Ousadia

-Projeção

-Dicas para jogo na balada

Quem quiser ter acesso a todo esse conteúdo, basta mandar um e-mail para omanualdojogadorcaro@gmail.com que mostro como se cadastrar lá no fórum.

 

Para assistir é só clicar no link abaixo. Bom proveito!

(essa foi minha primeira palestra então tem que dar um desconto beleza?!)

39974390


Meditação (parte 2)

Como é que é meus amigos e minhas amigas!

Para quem não viu na nossa fanpage, hoje é um dia especial, pois o MDJC acaba de ultrapassar a marca de 100 MIL VISITAS!!!

Estou empolgado pelo fato de termos ido tão longe em apenas alguns meses.

A você, meus sinceros agradecimentos! Prometo em breve trazer novidades que vão agradar todos os jogadores caros desse seleto time.

 

Pois bem…

Depois de conversarmos sobre os benefícios da meditação, é hora de mostrar como se faz essa brincadeira.

Mas não se deixe enganar quando me ve chamando de brincadeira, pois apesar de ser uma atividade de simples técnicas, contém um dos maiores poderes que o ser humano pode alcançar- o de controlar a própria mente.

 

 

 

Antes de mais nada, ressalto que não sou nenhum perito.

Tive a sorte de pegar algumas dicas com um professor de Yoga e também estudei sobre o assunto, fatos esses que me auxiliaram na prática.

 

Você pode meditar em diversos lugares e nas mais variadas formas.

O principal objetivo é silenciar a mente. Aqueles pensamentos aleatórios que embaralham tudo.

Começaremos pela maneira mais tradicional:

 

1- Procure por um lugar onde ninguém, absolutamente ninguém poderá lhe interromper.

2- Sente-se. Pode ser por cima duma almofada ou colchão. Eu prefiro me encostar em algum lugar, mas o ideal é ficar apenas sentado com a coluna reta.

3- A posição mais usada é com as pernas cruzadas, tipo índio, e as palmas das mãos viradas para cima, uma sob a outra, no colo, ou sob cada joelho. No início pode doer um pouco. Portanto, aconselho a colocar um travesseiro/almofada por baixo das pernas, ou até mesmo esticá-las, se bem que num conceito de energias e tudo mais, diz a lenda que seu campo fica bem mais forte ao deixá-las cruzadas.

4- Respire. Comece com profundidade, e com o tempo, deixe ao natural.

5- Do nada você pensará na morte da cabrita, no jogo de futebol, no jantar, mas pare tudo! Concentre-se na respiração. A regra é: pensamentos ZERO.

6- Sinta. Sinta a superfície em que está sentado… suas pernas… sua roupa… sua boca… cabeça… pescoço… barriga… peito… braços… mãos… respire.

7- Ouça. Ouça o barulho da chuva… dos carros passando… do mar… e caso esteja num lugar onde o silêncio impera, ouça sua respiração.

 

Pronto!

O desafio é ficar assim o tempo que julgar necessário ( e não se preocupe com o tempo, apenas pare quando quiser parar), sem pensar em nada, apenas respirando, sentindo e ouvindo.

Nas primeiras vezes aposto que você meditará por poucos minutos. Seus pensamentos virão encher o saco.

E quanto mais dias, semanas, meses e anos praticar a meditação, mais irá ficar nesse estado de puro silêncio e verá as consequências positivas em sua vida.

Se passa a ficar mais presente no momento. A ouvir mais as pessoas. A sentir a energia delas e dos lugares em que vai.

Se passa a ser mais confiante. A não precisar provar nada para ninguém. A valorizar tudo e todos, entendendo o estado limitante que muitos vivem (necessitando de atenção, sendo negativas, arrogantes, etc…)

Seu ego dará espaço para sua vibe (para não dizer ‘espírito’).

Os momentos negativos farão visita e irão embora muito mais rápido. É tipo “ãn, o que, problema? Solução! Não tem solução? É… fazer o quê?”

A paz interior será algo que você vai possuir e perceberá que não é uma fantasia, tampouco um dom dos mestres budistas.

 

Já pensou você se sentindo assim, numa sombra em pleno verão do paraíso, mas em qualquer lugar?

No ônibus… na fila do banco…  no meio da balada… ao receber uma ofensa?

Tem noção da maravilha disso???

Eu tenho.

Apesar de poder melhorar muito mais, hoje tenho um equilíbrio com meu corpo e mente que jamais imaginei alcançar.

Isso porque ainda pratico a outra forma de meditar, que é a CONTEMPLAÇÃO.

Mas é assunto para outro post!

 

…………………………………..

História!!

Hoje estou de bom-humor e vou passar essa rápida técnica para você meu querido jogador caro.

Por exemplo, o segundo lugar que mais gosto de meditar é surfando.

Enquanto espero pela onda, caso não esteja conversando com algum camarada, fico ali… sentado na minha prancha… observando o horizonte… respirando… vendo a linha infinita do mar e a grandiosidade dele… as gaivotas sobrevoando minha cabeça… os pinguins nadando… ouvindo o barulho das ondas… observando os costões, com sua vegetação linda e suas pedras… olho para o céu e noto as nuvens com seus mais loucos formatos e cores… sem pensamentos, sem julgamentos, sem rotulações… apenas contemplando tudo isso.

 

Agora você pode pensar, “qual é Don, eu não surfo, estou sempre indo estudar/trabalhar, o que eu contemplo?“.

As pessoas.

Nesse caso até terá um pouco de julgamento de sua parte, admito.

Mas olhe para elas… perceba a expressão facial e corporal de cada uma… quem está tranquilo, quem está triste… quais conversas estão mais interessantes…

Veja os carros passando, seus modelos e cores…

Contemplar pessoas também é um costume de todo JC que se preze.

Dessa forma, você irá estudar e entender mais o comportamento humano, além de ser uma espécie de meditação também.

Pense que pode meditar também na academia, dirigindo, praticamente qualquer lugar.

Sabe qual grande vantagem disso tudo? Você fica mais atraente.

 

E era isso my brother!

Torço para que esse artigo tenha lhe incentivado a meditar, porque certamente será algo essencial na sua evolução.

 

Abraço do DON

 

 

 

 

 

 


Um banco chamado ‘Amizade’

Aproveitando hoje que é o dia da amizade, passaremos um conceito interessante, de acordo com o que lembro ter lido em “O Monge e o Executivo”.

Amizade é como uma conta no banco.

Imagine-se uma pessoa rica que tem por costume depositar certa quantia em vários  bancos.

Cada vez que você é legal com alguém, tem bons momentos, inciando assim uma amizade, é como se fossem esses depósitos.

Quanto mais coloca dinheiro ali (atitudes de parceria), mais forte é sua conta (amizade).

Mas como ninguém é perfeito, pode ser que decepcione seu amigo de alguma forma, independente do motivo.

Nesse momento você acaba de retirar uma parte de dinheiro da sua conta com ele.

E assim é o jogo.

Tem ocasiões que o “saque” é tão grande que a conta já era. Ou seja, a amizade.

Em outras, esse saque merece apenas uma multa (um gelo ou chamada de atenção).

Tal entendimento serve para relacionamentos de qualquer natureza. Sociais, parentescos, amorosos…

 

E por que é interessante?

Pelo fato de que você pode perceber quando deposita muito mais do que a outra pessoa por exemplo.

Ou para medir a gravidade de uma atitude, já que nem sempre um saque é total.

Ah, e vale lembrar que um pedido sincero de desculpas até ameniza a situação.

 

É isso rapaziada.

O artigo é pequeno mas a mensagem é grande.

Abraço do DON!


Parábola: Experiência

No processo de seleção de uma multinacional, os candidatos deveriam responder a seguinte pergunta: ‘Você tem experiência?’

A redação abaixo foi desenvolvida por um dos candidatos. Ele foi aprovado e seu texto está fazendo sucesso, e com certeza ele será sempre lembrado por sua criatividade, sua poesia e acima de tudo por sua alma.

Redação Vencedora:

Já fiz cosquinha na minha irmã pra ela parar de chorar.

Já me queimei brincando com vela.

Eu já fiz bola de chiclete e melequei todo o rosto.

Já conversei com o espelho, e até já brinquei de ser bruxo.

Já quis ser astronauta, violonista, mágico, caçador e trapezista.

Já me escondi atrás da cortina e esqueci os pés pra fora.

Já passei trote por telefone.

Já tomei banho de chuva e acabei me viciando.

Já roubei beijo.

Já confundi sentimentos.

Peguei atalho errado e continuo andando pelo desconhecido.

Já raspei o fundo da panela de arroz carreteiro.

Já me cortei fazendo a barba apressado.

Já chorei ouvindo música no ônibus.

Já tentei esquecer algumas pessoas, mas descobri que eram as mais difíceis de esquecer.

Já subi escondido no telhado pra tentar pegar estrelas.

Já subi em árvore pra roubar fruta.

Já caí da escada de bunda.

Já fiz juras eternas.

Já escrevi no muro da escola.

Já chorei sentado no chão do banheiro.

Já fugi de casa pra sempre, e voltei no outro instante.

Já corri pra não deixar alguém chorando.

Já fiquei sozinho no meio de mil pessoas sentindo falta de uma só.

Já vi pôr-do-sol cor-de-rosa e alaranjado.

Já me joguei na piscina sem vontade de voltar.

Já bebi uísque até sentir dormente os meus lábios.

Já olhei a cidade de cima e mesmo assim não encontrei meu lugar.

Já senti medo do escuro, já tremi de nervoso.

Já quase morri de amor, mas renasci novamente pra ver o sorriso de alguém especial.

Já acordei no meio da noite e fiquei com medo de levantar.

Já apostei em correr descalço na rua.

Já gritei de felicidade.

Já roubei rosas num enorme jardim.

Já me apaixonei e achei que era para sempre, mas sempre era um ‘para sempre’ pela metade.

Já deitei na grama de madrugada e vi a Lua virar Sol.

Já chorei por ver amigos partindo, mas descobri que logo chegam novos, e a vida é mesmo um ir e vir sem razão.

Foram tantas coisas feitas…

Tantos momentos fotografados pelas lentes da emoção e guardados num baú, chamado coração.

E agora um formulário me interroga, me encosta na parede e grita: ‘Qual sua experiência?’ Essa pergunta ecoa no meu cérebro: experiência… experiência… Será que ser ‘plantador de sorrisos’ é uma boa experiência? Sonhos!!! Talvez eles não saibam ainda colher sonhos! Agora gostaria de indagar uma pequena coisa para quem formulou esta pergunta: Experiência? Quem a tem, se a todo o momento tudo se renova?

 

Abraço do DON


Análise do JC: programa A Liga (10/7), sobre sedução- parte 2

Depois de algumas reflexões feitas na parte 1, continuamos analisando a arte de pegar mulher:

 

4- Bar game II

Nosso fiel jogador Murilo Couto chega com o abridor da opinião feminina sobre shows nas redondezas.

Já achei que não colou porque uma informação não é uma opinião e saber onde tem banda tocando não é nada relacionado a elas serem mulheres ou homens.

Uma delas mostra interesse e desconfiança: “Você tá sozinho mesmo? Aonde você mora?”

No que ele tenta enrolar, a outra já afirma com rigidez: “Não pode entrar de chinelo nem boné. Não pode.

Eu responderia algo do tipo “Ah tranquilo, eu deixo ele na sua bolsa“. Isso porque amiga-obstáculo sempre aparece e essa é a hora de se mostrar confiante. Beleza, ele nem quis perder tempo, pediu o telefone e ejetou.

Uma delas ainda lamentou ahhhh….”, isso foi bom.

Mas apenas pegar o contato não significa nada. Deve haver algum momento divertido ou uma certa tensão sexual criada para que ela fique interessada na sua ligação.

 

Importante:

Não se preocupa sobre quanto tempo esperar para ligar.

Se for em uma semana ou duas, ela pode adorar porque será uma surpresa. Basta explicar o porquê da demora.

Se ligar no mesmo dia ou no dia seguinte é ótimo também (comprovado). Mostra que se interessou mesmo nela e é um cara que vai atrás do que quer.

Agora, esperar 2/3 dias? Isso é coisa de menininho inseguro e elas percebem tal “estratégia”.

 

5- Se qualificando

O Leandro pegou na mão dela e deu um beijo.

Apesar de parecer estiloso, as mulheres hoje em dia curtem muito pouco cavalheirismo.

Valia pegar na cintura e dar um beijo na buchecha devagar, sem pressa, perguntando o nome dela, olhar fixo, sorrisinho, jogando caro no caso. E NA REPÓRTER TAMBÉM!

Então podia falar algo do tipo “olha, vou admitir….. gostei do seu estilo… mas e se eu te perguntar o que de diferente você tem das outras garotas bonitas daqui hoje?”

Ou qualquer coisa do tipo.

Ao invés disso, ele chega se qualificando tipo numa entrevista de emprego “meu nome é Joselito, sou arquiteto, gosto de pagode e desenho animado”. 

Você deveria ser o comprador ao invés do vendedor.

Pergunte sobre a garota!! Faça ela se qualificar e não o contrário.

O resto foi apenas consequência daquilo que ele estava pensando: preciso obter validação dela.

 

6- Night game

A velha história da opinião e qual balada é qual.

Mas beleza deu certo pois logo elas já linkaram outro assunto “A gente veio com o date dela“.

Murilo jogou legal falando de perto com cada uma do grupo. Pode perceber que elas disputam sua atenção (mulheres, seres altamente concorrentes entre si).

Ainda mais quando falou para ela se vingar do cara. Jogou LINDO!! Ouviu depois: “Eu não vou sair daqui sem me vingar”.

Só que jogadorazinha de balada adora lançar a isca e puxar antes da hora, apenas pra sentir o poder de rejeitar.

Ele podia falar algo do tipo “isso foi uma indireta?” Aí já virava para as outras e dizia “a amiga de vocês tá querendo me agarrar”.

É assim que rola o flerte, na base da provocação. Não dá pra morder a isca tão rápido.

Então a comparsa dela manda ele pagar uma bebida pra poder ficar com a guria, provando que muita mulher em festa é um tipo de garota de programa.

Era hora de dizer que pagaria caso elas pagassem uma pra ele primeiro. Ou falar “Bebida? Se ela ficar comigo eu boto uma garrafa pra vocês“. Aí, é claro, beijava e depois saía rindo da cara delas.

Só que ele esqueceu que ali são apenas negócios e levou para o lado pessoal (como diria meu amigo Don Corleone), mesmo num tom de brincadeira, acabou entrando na vibração negativa da piriguete e deu no que deu. O pior é que esse tipo de fêmea comemora ao pisar num cara gente fina.

Na segunda abordagem eu não entendi se rolou desinteresse dele ou falta de saber como finalizar.

Se for este o caso, valia a pena chamar o alvo para o bar apenas para tirar a amiga da jogada e aí sim pegar, ou mais tarde, chamar de canto.

 

7- Night game II

A cheirada no pescoço até caiu bem. Mas deveria falar com mais calma… mais envolvente… e mais no ouvido… parece difícil só que na prática dá  pra perceber a diferença, porque você fica totalmente à vontade com seu interesse e ela quer sentir isso ao invés de qualquer porcentagem de nervosismo de sua parte.

Só que dar uma cafungada e dizer “CHEIROSAA, MUITO CHEIROSA! PARABÉNS FULANA” e partir para o beijo, não funciona. Faltou calibração.

Já na segunda garota a cartada certa foi perguntar o que ela estava bebendo depois de puxar assunto. Reforço que uma pitada de humor sempre cai bem. Quando ela ofereceu a bebida Murilo podia perguntar “tem droga aqui?“. “Você tem cara de quem gosta de aprontar com caras legais como eu“.

Em seguida falou da tatuagem dela, sempre focando no que a garota tem ou está fazendo, isso é excelente.

Nessa que recebe a pergunta de ouro: “Você tá sozinho?

É complicado dizer que está porque comunica falta de amigos, carência, algo do tipo. Tanto que depois ela fala “tá sozinho, não tem amigos, namorada, que triste“.

Como não dava de falar totalmente a verdade, quem sabe algo perto disso: “Estou com um amigo que se acha o rei da paquera… que usa vários truques decorados pra pegar mulher… (pausa pra ela falar alguma coisa)… e acho que essas coisas acontecem naturalmente… quando você olha pra pessoa, ta gostando de conversar, sentindo aquele lance bom sabe…” e aí ia depender da criatividade dele no momento, mas era a hora de fazer a transição do papo normal para a demonstração de interesse nela.

De qualquer jeito ela mostrou interesse mais uma vez ao perguntar se ele tinha namorada. Faltou novamente criatividade para desenrolar um papo a partir daí, porque apenas responder “não, e você?” não tem graça alguma. O que falar depois, “ok, então vamos ficar?” ?

Depois disso a garota fez como a outra jogadora na balada, dando corda apenas para o cara se enforcar.

 

Conclusão:

 

Murilo Couto teve atitude isso é certo. Sendo filmado, sozinho, tendo que seguir dicas duvidosas, é difícil mesmo.

Sem contar que conhecer mulheres depende muito do dia. Às vezes somos tipo um rei, em outros, um cara invisível.

Faz parte do jogo.

 

Apenas na prática desenvolvemos uma percepção de certas situações e aprendemos a lidar com elas de forma mais habilidosa, aumentando as chances de resultado positivo.

Quero deixar claro que tudo que analisamos nesses dois artigos contém variáveis… não julgo o Manual do Jogador Caro a verdade incontestável sobre dinâmicas sociais. São apenas pontos de vista com certo conhecimento de causa.

Ressaltando também que muito do que se falou nesse programa foi tirado do Mystery Método, um livro sobre sedução feito por um americano (parece que alguém esqueceu de citar). Apesar de conter boas observações nele, certas coisas tornam-se mais robóticas do que naturais, fato que pode atrapalhar sua investida.

 

No mais, parabéns Murilo, continue jogando!

 

Abraço do DON

*gostaremos de conhecer sua opinião jogador!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Perfil de um JC: Dinho (mamonas assassinas)

Como não falar de um dos caras mais espontâneos e divertidos de todos os tempos?

Alecsander Alves Leite, mais conhecido como Dinho, era o vocalista dos Mamonas Assassinas, a banda que teve a ascensão mais meteórica de todos os tempos em solo brasileiro.

No período de apenas 1 ano venderam cerca de 2 milhões de cd’s, faziam quase 7 shows por semana e levaram alegria a muita gente.

O artigo de hoje é direcionado ao líder deles, mas quero ressaltar que todos os integrantes compartilhavam da mesma vibração.

Por que um Jogador Caro?

Começando pelos primeiros passos de seu grupo.

No início eles eram o Utopia.

Tocavam músicas meio românticas, idealistas, padrão Legião Urbana.

O problema foi que não emplacou.

Quando esse tipo de coisa acontece, muitas pessoas ficam desnorteadas. Insistem no mesmo objetivo sem se dar conta das circunstâncias que podem estar afetando o êxito, ou desanimam de vez, não confiam mais no próprio taco, porque certa vez “fracassaram”.

Mas nenhuma das duas hipóteses foi escolhida por Dinho e seus amigos.

Eles seguiram um dos pontos que Anthony Robins apresenta em sua fórmula definitiva do sucesso (Poder sem limites): mudar a estratégia.

No intervalo dos ensaios do Utopia, os garotos tiravam uma onda, misturando covers de músicas famosas com letras sacanas improvisadas.

O som cômico chegou aos ouvidos de um empresário do ramo que perguntou a eles se podiam cantar para um pequeno público, na intenção de ver qual era a reação geral.

Resultado foi que roubaram a cena.

Vestindo apenas roupas íntimas (cuecas), tocaram aquela comédia e a galera aprovou.

Foi o momento de  abandonar a velha banda para dar espaço aos Mamonas Assassinas!

O cd veio em seguida, assim como aparição em todos os programas de tv, rádio, revistas, um verdadeiro fenômeno.

SBT e Globo brigavam para trazer aqueles malucos devido aos recordes de audiência que batiam.

Tanto que o já aposentado Boni, chefão da poderosa, ofereceu contrato de 3 anos de exclusividade para que se apresentassem somente nos ‘Faustão’ da vida.

Qualquer entrevista de 5 minutos virava 20.

Dinho se vestia de pijama, Robin do batman, Chapolim Colorado e até de coelho (como assim de conejo?).

Sua autenticidade era espantosa. Confira:

O show era ele.

Não havia preocupação em agradar alguém ou ser aprovado.

Era “me filma que agora é nóizzzzzz”. A imprevisibilidade de toda criança e Jogador.

Lógico que você não precisa contar piada o tempo todo como o cantor.

Mas essa criatividade, esse jeito despreocupado, foi a maior herança dos Mamonas para nós.

Sou até suspeito pra falar, já que presenciei aquela época incrível.

Mas se você não teve esse privilégio, basta assistir aos vídeos para notar uma energia atraente naquela banda.

Geral queria estar perto deles… olhar as palhaçadas… sentir graça das loucuras e saber qual seria o próximo movimento.

Mesmo com fãs de todas as idades no Brasil inteiro, Dinho e cia. mantiveram sempre a humildade.

Certa vez responderam se aquilo era tudo planejado:

A gente não falaria palavrão nas letras se pensasse nesse ou naquele fã. Nem as coisas que fazemos no palco são assim ensaiadas. É tudo na base da brincadeira e o pessoal curte“.

E quando Serginho Groisman perguntou sobre a dificuldade do segundo cd alcançar o sucesso do primeiro, Dinho afirmou:

“[…] não tenho medo nenhum do futuro, até porque ele não me pertence”.

E não pertencia mesmo.

Depois de bater recorde de sucesso, de shows, de ibope na tv, de cd’s vendidos em pouco tempo, de carinho pelo público, os Mamonas assassinas fizeram parte de uma das tragédias mais sentidas pelo povo, quando o avião em que estavam colidiu com um morro e pôs fim às suas vidas.

Independente desse triste fim, Dinho, junto aos Mamonas, marcou minha história, primeiro porque o show deles em 1995 aqui em Floripa foi a primeira balada da minha vida! Demais…

Segundo, mostraram pra rapaziada qual é o sentido de curtir cada momento e correr atrás dos seus sonhos, como neste discurso emocionante gravado em Guarulhos.

Fica aqui a consideração do Manual do Jogador Caro a eles, estejam aonde estiverem!

Abraço do DON


Meditação e seus benefícios (parte 1)

Ohmmmmmmm…………..

Ohmmmmmmm…………

Ohmmmmmmm………..

Bora meditar rapaziada?

Os tempos modernos são interessantes.

Na mesma medida com que a informação atingiu a velocidade da luz através da tecnologia (internet, smartphones, tablets), nossa vida ficou mais corrida.

Criamos hábitos esquisitos, tipo fazer várias coisas simultaneamente.

Dessa forma, a impaciência pode ser um mal que nos aflinge.

*confira- https://omanualdojogadorcaro.wordpress.com/2012/04/02/spa-a-sindrome-do-homem-moderno/

 

Mas existe uma atividade para driblar toda essa aceleração mental: a meditação.

Costume maior no Oriente, a meditação é algo milenar. As pessoas praticam tanto para sua evolução espiritual quanto seu desenvolvimento pessoal, já que se atinge cada vez mais a paz interior e habilidades sociais.

Meu primeiro contato com isso foi através de um mestre yoga que conheci ao viajar à América Central há 3 anos atrás.

Ele me falou sobre  os benefícios de meditar e depois ensinou como se faz. E posso dizer que foi um passo gigantesco na minha evolução.

Levando em consideração vários pedidos que o Manual do Jogador Caro recebeu para falar sobre o tema, compartilho agora as vantagens e a técnica da meditação: (lembrando que não sou especialista)

 

1- Paz

Você tem mais tranquilidade, já que é um treinamento voltado à calmaria e à contemplação.

É como se seus pensamentos tivessem que passar por uma aprovação antes de realmente tornarem-se atitudes.

Sabe aquele lance de agir sem pensar? Pois é… uma pessoa que medita tem mais controle sob seus impulsos.

 

2- Foco

Quando não temos controle sobre os pensamentos, ficamos sempre remoendo o passado em nossa mente ou preocupando-se mais do que devemos com o futuro.

Não prestamos atenção 100% em quem conversamos, nem mesmo na atividade que exercemos no momento.

Um turbilhão de dúvidas invade nossa psique.

A partir do momento em que se medita cada vez mais, fica fácil manter o foco e a concentração em algo ou alguém.

 

3- Auto-estima

Cada vez que medito, parece que ligo meu recarregador na tomada.

Fico mais disposto, mais sereno, mais entusiasmado.

É como se aumentasse a conexão com o próprio ser.

Não se fica ansioso para que gostem de você ou lhe aprovem num lugar. Simplesmente você está numa boa, numa nice.

Suas conversas ficam mais espontâneas. A criatividade aflora e sua energia é sentida positivamente pelos outros.

 

4- Sonífero

Enquanto a maioria medita no início do dia, tenho o costume inverso.

Sabe quando você até tem um pouco de sono mas custa a adormecer?

Reflexão dali, ideia daqui, e nada.

Nessa hora é que eu pratico a meditação. É tiro e queda. Logo em seguida já apaguei.

 

5- Sentidos aguçados

Se há paz na vida de quem medita, essa pessoa fala com calma e concentração;

O fato de estar mais presente no momento faz com que se escute atentamente aos sons ambientes;

Igualmente com a visão, quando notamos melhor os objetos, cores, formas e situações. Detalhes são percebidos com facilidade, fato que estimula (e muito) sua criatividade;

O tato é feito com atenção e vale lembrar que as mãos são ótimos condutores de energia;

O olfato, para falar a verdade, não vejo diferença não;

E para quem pensou que tinha acabado, saiba que seu 6º sentido fortalece, a intuição. Tipo sentir o que a outra pessoa está sentido (positividade, negatividade, atração) ou prever rapidamente os resultados de uma ação.

 

6- Apatia à drogas

A maioria dos usuários encontra na droga uma forma de relaxar, ter sensações positivas ou ser acolhido por um grupo.

Isso não teria mal algum se não fosse pelo prejuízo que o corpo carrega depois (fora aqueles perante à sociedade).

Aí entra a meditação como uma droguinha natural.

Pois, você já se sente relaxado em boa parte do tempo, ainda mais se – como complemento -pratica algum esporte, puxa ferro, tem um hobbie, faz sexo, etc…

Não precisa da aprovação de um grupo ou precisa se drogar para acabar com alguma ansiedade social. A energia constantemente carregada é atraente sem esforço. As pessoas sentem isso ao estar perto ou trocando algumas palavras contigo. E se sua energia é positiva, o bom-humor faz parte da sua vida. Quem não quer interagir com alguém assim?

Como um bônus, depois de praticar a meditação, beber não será mais requisito para puxar assunto com aquela gata que prendeu sua atenção. A confiança faz parte do seu dia-a-dia.

 

Esses são alguns proveitos de se brincar de monge budista.

No próximo artigo darei o passo a passo para os dois tipos de meditação que pratico. Fique ligado!

 

Abraço do DON

*qualquer dúvida ou comentário é só dizer jogador!